Irã alerta para "catástrofe nuclear" em caso de ataque

Um ataque militar de Israel contra as centrais nucleares do Irã desencadearia uma "catástrofe nuclear", já que propagaria a radiação por toda a região do Oriente Médio, advertiu hoje Ali Akbar Soltani, diretor de política internacional do Ministério iraniano de Assuntos Exteriores."Seria equivalente a uma catástrofe nuclear mundial, razão pela qual a comunidade internacional não deveria permitir isso", disse Soltani, representante permanente do regime de Teerã em Viena, segundo informou a agência oficial "Itar-Tass".Soltani, que participa, em Moscou, de uma conferência internacional sobre segurança energética global, afirmou que "a catástrofe nuclear de Chernobil (Ucrânia) demonstrou que a radiação não conhece fronteiras"."Se Israel nos atacar, todo Oriente Médio seria contaminado pela radiação", ressaltou. O diplomata iraniano lembrou que um ataque desse tipo violaria ascartas das Nações Unidas e da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)."O Conselho de Segurança da ONU deveria reagir imediatamente a tais ameaças", disse. O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou esta semana, em um discurso em ocasião do Dia das Forças Armadas, que o Exército de seu país "é um dos mais poderosos do mundo" e que "cortaria as mãosde quem planejasse agredir" o Irã.Por sua vez, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, não descartou a opção militar na crise provocada pelo contencioso nuclear iraniano. Soltani acrescentou que o Irã tem a intenção de criar suas próprias reservas estratégicas de combustível nuclear para alimentar seus reatores e centrais nucleares."O combustível para nossos reatores de pesquisa está prestes a acabar, por isso nos vemos obrigados a garantir reservas para a realização desses experimentos", disse. "Esta é a principal razão pela qual o Irã deseja dispor de seu próprio ciclo nuclear, e não estamos dispostos a renunciar a esse direito", ressaltou o representante iraniano.Quanto à oferta do Kremlin de enriquecer urânio em território russo para abastecer as centrais iranianos, Soltani adiantou que seu país "está disposto a manter negociações com a Rússia", na qual disse confiar, "para que essa proposta seja posta em prática". O Irã, segundo acrescentou, "também está disposto a permitir que os inspetores da AIEA que visitem qualquer instalação nuclear que desejem".Soltani revelou ainda que, dentro de um mês, seu país organizará uma concorrência internacional para a construção de duas novas centrais nucleares em seu território. Além disso, a central atômica de Bushehr, que a Rússia constrói às margens do Golfo Pérsico, entrará em funcionamento no final deste ano, disse, apesar dos apelos dos Estados Unidos pela suspensão de sua construção.A crise no programa nuclear de Teerã se agravou em 11 de abril, quando o presidente do Irã anunciou que seu país tinha conseguido enriquecer urânio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.