Irã alerta que sanções da ONU impossibilitarão compromisso do país para resolver impasse nuclear

O Irã alertou nesta quarta-feira que uma provável resolução do Conselho de Segurança da ONU impondo sanções contra o Teerã iria acabar com qualquer possibilidade de um compromisso para resolver o impasse sobre o programa nuclear do país. A França afirma que uma resolução com sanções provavelmente irá circular no Conselho no final desta semana. O apoio às sanções vem crescendo entre os países membros após semanas de conversas infrutíferas entre a UE e Irã, na tentativa de persuadir Teerã a suspender o enriquecimento de urânio e iniciar conversas sobre suas ambições nucleares.O negociador da questão nuclear do Irã, Ali Larijani, insistiram na quarta-feira que "ainda é possível" continuar as conversas com o chefe de política externa da UE, Javier Solana. Mas ele alertou que "no caso de uma nova resolução passar pelo Conselho de Segurança nós não estaremos em condições de iniciar possíveis negociações." "Recorrer à queda de braço através do Conselho de Segurança seria considerada uma ameaça à segurança do Irã e irá mudar o comportamento (do Irã)", disse em entrevista à agência de notícias Mehr. Larijani disse que o Ocidente sabe que seu caminho irá incitar uma crise regional, mas reiterou que o Irã está pronto para conversas incondicionais. O Irã tem repetido diversas vezes que irá continuar com o enriquecimento de urânio e que não se intimida pela possibilidade de sanções. O enriquecimento é um processo-chave que pode produzir tanto combustível para um reator nuclear que produziria energia, quanto material para uma bomba nuclear. Os EUA e alguns países europeus acusam o Irã de tentar desenvolver armas nucleares, enquanto o país afirma que o programa é pacífico, tendo como finalidade única a produção de energia. Solana, que liderou as conversas com o Irã, afirmou na segunda-feira que "a situação não mudou", e o Irã continua se recusando a suspender seu programa de enriquecimento de urânio. Solana e Larijani mantiveram conversas como última tentativa de conseguir um compromisso do Irã, após o país ignorar o prazo de 31 de agosto imposto pelo Conselho para suspender seu programa nuclear. Os ministros do Exterior da Europa disseram, após reunião nesta terça-feira, não terem opção a não ser apoiar negociações diplomáticas nas Nações Unidas sobre sanções ao Irã. Os ministros apoiaram a decisão dos cinco membros permanentes do Conselho - EUA, Rússia, China, Inglaterra e França - e da Alemanha, de criar sanções limitadas à Teerã, mas mantendo as portas abertas para negociações futuras. Os seis países ofereceram ao Irã em junho um pacote de incentivos econômicos e políticos, para o país aceitar uma moratória de longo prazo de seu programa nuclear e se comprometer a congelar o enriquecimento de urânio antes de negociações para discutir os detalhes do pacote.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.