Irã ameaça atacar Israel preventivamente

Brigadeiro iraniano afirma que Teerã considera bombardear o inimigo caso obtenha informação sobre possível ataque israelense contra seu território

TEERÃ, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2012 | 03h03

Um dos mais graduados comandantes da Guarda Revolucionária do Irã, o brigadeiro Amir Ali Hajizadeh, afirmou ontem que seu país considera realizar ataques preventivos contra Israel caso considere que o país "inimigo" pareça estar pronto para atacar Teerã. O militar afirmou ainda que, na hipótese de uma guerra contra os israelenses, as forças iranianas bombardearão bases dos Estados Unidos na região.

Os comentários de Hajizadeh, que comanda a divisão aérea da guarda, ocorrem em meio à tensão a respeito do programa nuclear do Irã e a sugestão israelense de atacar as instalações atômicas de Teerã unilateralmente, para evitar o que os americanos e seus aliados acreditam ser esforços para a construção da bomba. Os iranianos, porém, afirmam que suas pesquisas nucleares têm fins pacíficos.

"O Irã não vai começar nenhuma guerra, mas lançará um ataque preventivo se estiver certo de que seus inimigos estão acertando os detalhes finais para atacá-lo", disse Hajizadeh, segundo a TV estatal iraniana Al-Alam, que transmite sua programação em árabe.

O brigadeiro afirmou que nenhum ataque de Israel pode ocorrer sem o apoio dos EUA, país que atua como seu mais importante colaborador, o que tornaria, segundo o comandante, alvos americanos na região legítimos na hipótese de uma guerra.

"Por essa razão, entraremos em confronto com ambas as partes e definitivamente estaremos em conflito com bases americanas se uma guerra", disse, afirmando que instalações dos EUA em no Bahrein, no Catar e no Afeganistão serão atacadas. "Não haverá nenhum país neutro na região. Para nós, as bases são semelhantes ao solo americano."

Ainda ontem, o parlamentar iraniano Javad Jahangirzadeh acusou o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, de repassar a Israel detalhes confidenciais sobre o programa nuclear de Teerã.

"As repetidas viagens de Amano a Tel-Aviv seu questionamento aos funcionários do governo israelense sobre as atividades nucleares do Irã indicam que as informações sobre o programa atômico iraniano foram reveladas ao regime sionista e outros inimigos da república islâmica", disse, segundo a Press TV, emissora iraniana que tem sua programação em inglês.

Para Jahangirzadeh, "se as ações da agência levarem o Irã a cortar sua cooperação com esse órgão internacional, toda a responsabilidade será do diretor-geral da AIEA".

Enquanto as afirmações do brigadeiro são consideradas parte da tradicional retórica agressiva dos militares iranianos, a acusação do parlamentar sugere que as relações de Teerã com a AIEA estão tensas. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.