Tolga Adanali/Efe
Tolga Adanali/Efe

Irã ameaça reduzir ainda mais venda de petróleo à UE

Teerã pede que bloco demonstre flexibilidade antes da próxima rodada de conversações sobre o programa nuclear

AE, Agência Estado

19 de abril de 2012 | 08h40

TEERÃ - O ministro do Petróleo do Irã, Rostam Ghasemi, disse nesta quinta-feira, 19, que o país poderá reduzir ainda mais a venda da commodity à União Europeia se o bloco não demonstrar alguma flexibilidade com Teerã antes da próxima rodada de conversações sobre o programa nuclear iraniano, marcada para o mês que vem.

Veja também:

linkIsrael põe em dúvida conversas nucleares com Irã

linkIsrael não descartou ataque ao Irã, afirma ministro

A princípio, o Irã cortou as exportações de petróleo à Grã-Bretanha e França, em fevereiro. Neste mês, as vendas para a Grécia e Espanha também foram diminuídas.

As medidas foram uma espécie de retaliação a um embargo que a UE pretende impor ao país a partir de julho por causa da recusa de Teerã em interromper seu polêmico programa nuclear. O bloco importa hoje cerca de 18% da produção diária iraniana, de 2,2 milhões de barris.

Segundo Ghasemi, se o embargo planejado pela UE não for suspenso até a próxima rodada de negociações nucleares entre Teerã e as potências mundiais, o Irã "certamente reduzirá as vendas de petróleo à Europa". "Estamos esperançosos de que eles levantarão as sanções sobre o petróleo do Irã", disse o ministro.

O Ocidente suspeita que Teerã ambicione desenvolver armas nucleares, mas os iranianos afirmam que seu programa nuclear tem apenas fins pacíficos.

O Irã, segundo maior país produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opec), tem uma receita anual de cerca de US$ 80 bilhões com a venda da commodity, 80% dos quais vêm de exportações.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEuropapetróleoprogramanuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.