Irã anuncia centrífugas nucleares 'seis vezes mais rápidas'

Irã anuncia centrífugas nucleares 'seis vezes mais rápidas'

Ameaçado de sanções, país desenvolve tecnologia para acelerar enriquecimento de urânio.

BBC Brasil, BBC

09 de abril de 2010 | 13h27

O Irã revelou nesta sexta-feira a sua terceira geração de centrífugas nucleares, capazes de enriquecer urânio até seis vezes mais rápido do que a tecnologia atual, de acordo com as autoridades do país.

A apresentação das centrífugas foi feita durante uma cerimônia oficial no Irã para marcar o Dia Nacional de Tecnologia Nuclear, com a presença do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

O diretor da organização nuclear iraniana, Ali Akbar Salehi, disse que os equipamentos terão uma capacidade de separação de isótopos de "quase dez, o que significa quase seis vezes mais que a primeira geração de centrífugas".

O anúncio da terceira geração de centrífugas ocorre às vésperas de uma cúpula de segurança nuclear nos Estados Unidos e em meio a esforços americanos para tentar aprovar novas sanções contra o programa nuclear iraniano.

Tecnologia nuclear

O novo equipamento será mais avançado do que as centrífugas P1 atualmente em uso na usina de enriquecimento de urânio de Natanz, supostamente adquiridas no mercado negro nos anos 1980 e mais suscetíveis a falhas.

Em outubro, o Irã havia anunciado que a segunda geração de centrífugas, desenvolvida por cientistas iranianos e feita principalmente a partir de componentes nacionais, seria instalada no complexo de Qom.

A terceira geração de centrífugas nucleares tem o potencial de suscitar preocupações nos países ocidentais porque acelera a capacidade do Irã de enriquecer urânio.

Mas o analista de Irã da BBC, Jon Leyne, diz que existem dúvidas sobre quantas centrífugas de terceira geração o Irã é capaz de produzir.

A tecnologia pode ser usada tanto para produção de energia como para fabricação de bombas - no último caso, o enriquecimento precisa chegar a 90%.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.