IRINN / AFP
IRINN / AFP

Irã anuncia retenção de petroleiro acusado de contrabando

Guarda Revolucionária informou que navio-tanque detido desde domingo, ao sul da ilha de Larak, carregava mais de 1 milhão de litros de combustível contrabandeado; região está sob tensão há 2 meses por sequência de eventos envolvendo petroleiros

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2019 | 15h15
Atualizado 18 de julho de 2019 | 15h40

TEERÃ - O Irã informou nesta quinta-feira, 18, ter retido um navio-tanque estrangeiro e sua tripulação sob suspeita da prática de contrabando de combustível no Golfo Pérsico. A região se encontra sob alta tensão há dois meses, após uma sequência de eventos envolvendo petroleiros.

“Uma embarcação estrangeira contrabandeando 1 milhão de litros de combustível foi apreendida”, afirmou a emissora estatal iraniana. Segundo a Guarda Revolucionária, o Exército ideológico da República Islâmica, o navio-tanque foi retido no domingo, 14, ao sul da ilha de Larak, também conhecida como Lark, no Estreito de Ormuz

O anúncio da prisão do navio acontece dois dias depois das declarações do líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, sobre o assunto. Segundo ele, o Irã responderia "na hora e no lugar oportunos" à intercepção, em 4 de julho, de um petroleiro iraniano por parte das autoridades britânicas, na costa de Gibraltar.

A Guarda Revolucionária ainda não divulgou o nome da embarcação retida na costa de Larak, nem sua bandeira.

"Esse navio com capacidade de dois milhões de barris e com 12 membros de tripulação a bordo se dirigia para entregar combustível de contrabando de navios iranianos", afirmou o Sepahnews, o site oficial da corporação. Conforme a mesma fonte, o caso do navio está na Justiça do país.

Na terça-feira, o Ministério iraniano das Relações Exteriores, anunciou que a República Islâmica havia oferecido assistência a "um petroleiro estrangeiro que teve um problema técnico" no Golfo.

Troca de acusações

Mais cedo naquele mesmo dia, a organização TankerTrackers, especializada no acompanhamento das cargas de petróleo, indicou que o navio-tanque de bandeira panamenha "Riah" havia entrado nas águas iranianas em 14 de julho.

O "Riah" costuma passar pelo Estreito de Ormuz para abastecer outros navios. Segundo a TankerTrackers, o sinal do sistema automático de identificação do petroleiro foi interrompido naquele momento. A última posição conhecida do "Riah" foi na costa da ilha de Qeshm, situada a menos de seis milhas náuticas a oeste de Larak.

A região do Golfo e do Estreito de Ormuz, por onde transita um terço do petróleo transportado por via marítima no planeta, encontra-se no centro de intensas disputas geopolíticas há mais de dois meses. O pano de fundo é a escalada de tensão entre Irã e Estados Unidos.

Os EUA reforçaram sua presença militar na região com base nas supostas "ameaças iranianas contra interesses americanos", as quais nunca foram claramente explicitadas.

Alimentada por suas divergências sobre a questão nuclear iraniana, a escalada entre os dois países atingiu seu ápice em 20 de junho, quando o Irã abateu um drone de vigilância americano.

O presidente americano, Donald Trump, disse ter anulado, no último minuto, ataques de represália contra alvos no Irã nas horas que se seguiram a este incidente. Segundo Teerã, o equipamento sobrevoava o espaço aéreo iraniano, o que Washington nega.

Nesta quinta, durante uma conversa por telefone, o presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega francês, Emmanuel Macron, concordaram sobre a necessidade de "consolidar os esforços" para salvar o acordo nuclear. Segundo o Kremlin, trata-se de um "fator muito importante para garantir a segurança no Oriente Médio".

Escalada

Sem dar detalhes, a Guarda Revolucionária negou as alegações de "veículos da imprensa ocidental", segundo os quais o Irã teria retido "outro navio" estrangeiro há alguns dias.

Nesta quinta-feira, o chefe do Comando Central americano, Kenneth McKenzie, falou em agir "energicamente" para garantir a segurança do transporte marítimo no Golfo, durante uma visita a uma base aérea perto de Riad, capital da Arábia Saudita. O país é um rival regional do Irã.

Na terça-feira, o Ministério britânico da Defesa disse estar pronto para enviar um terceiro navio de guerra para o Golfo. Mas disse se tratar de um "deslocamento de rotina", sem relação com as tensões na região.

Na semana anterior, Londres disse que embarcações militares iranianas haviam tentado "impedir a passagem" pelo Ormuz de um petroleiro britânico e que um navio da Marinha Real inglesa, o "HMS Montrose", que foi em seu socorro, teve de "lançar advertências verbais" aos iranianos. A Guarda Revolucionária negou qualquer "confrontação" recente com navios estrangeiros.

Segundo autoridades britânicas de Gibraltar, o navio iraniano retido em 4 de julho é suspeito de ter sido enviado rumo à Síria. Essa entrega violaria sanções da União Europeia a Damasco. Sem divulgar o destino final do petroleiro "Grace I", o Irã garantiu que sua rota não passaria pela Síria e pediu a liberação imediata do navio-tanque. / AFP, EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.