Irã: ataque dos EUA teria repercussões em outros países

O chefe da Guarda Revolucionária do Irã, comandante Mohammad Ali Jafari, alertou neste sábado que um ataque dos Estados Unidos à Síria desencadearia reações além das fronteiras do país. "O fato de os norte-americanos acreditarem que a intervenção militar será limitada dentro das fronteiras da Síria é uma ilusão. Isso vai provocar reações para além do país", afirmou ele, segundo divulgado pela agência de notícias ISNA.

Agência Estado

31 de agosto de 2013 | 15h53

Enquanto isso, parlamentares do Irã conversaram neste sábado com o presidente sírio, Bashar al-Assad. "Como representantes da República Islâmica do Irã, nós declaramos nossa oposição a qualquer ataque ou guerra contra a Síria", afirmou Allaeddine Boroujerdi, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Parlamento.

Segundo o comandante da Guarda Revolucionária, a exemplo do que ocorreu com as intervenções dos EUA no Afeganistão e no Iraque, um ataque à Síria incentivaria o extremismo e resultaria em "dor, massacres e no êxodo de populações inocentes".

Segundo a imprensa iraniana, o ministro de Relações Exteriores do país, Mohammad Javad Zarif, telefonou nos últimos dias para dezenas de líderes europeus e árabes para "condenar o uso de armas químicas na Síria por parte dos rebeldes e criticar a postura belicista dos EUA, levantando receios sobre as consequências de qualquer ação militar". Fonte: Dow Jones Newswires. (Álvaro Campos)

Tudo o que sabemos sobre:
EUASíriaIrãataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.