Irã avança em programa nuclear, alerta ONU

O Irã planeja iniciar a instalação de centenas de centrífugas em uma fábrica que fica embaixo da terra em fevereiro, segundo informações de fontes ligadas às Nações Unidas nesta sexta-feira. A investida é um caminho para continuar o enriquecimento de urânio, componente necessário para a construção de armas nucleares.As fontes, que permaneceram anônimas por conta da sensibilidade da informação, enfatizaram que o Teerã não disse oficialmente que serão construídas 3 mil centrifugas em Natanz. No entanto, alguns chefes da operação comunicaram à Agência de Energia Atômica Internacional que pretendem começar as construções em um mês.Já no Forum Econômico Mundial, realizado em Davos, o chefe da IAEA, Mohamed El Baradei, disse aos jornalistas que "compreende que o Irã anunciar a construção de 3 mil centrífugas em fevereiro". Com isso, o Irá pretende expandir seu programa de enriquecimento de urânio para 54 mil centrífugas, para produzir combustível nuclear. Isso daria ao país a capacidade de fabricar dezenas e pontas de mísseis nucleares por ano, se optar por isso.As informações não oficias reveladas em Davos foram as primeiras confirmações dos próximos passos do Irã. No entanto, o início de qualquer nova instalação destinada ao enriquecimento de urânio no país, geraria um conflito internacional contra os países que não aprovam o programa iraniano.O Conselho de Segurança da ONU, por exemplo, já impôs sanções em 23 de dezembro relativas a multas que tentariam banir materiais específicos que contribuiria para o este programa nuclear do Irã. Os Estados Unidos e alguns de seus aliados acusam o Irã de tentar produzir armas nucleares. O Irã nega, dizendo que o programa é destinado apenas para gerar eletricidade. O Teerã afirma que, como foi assinado o Tratado de Não-Proliferação de Ameaça Nuclear, o país tem o direito de desenvolver de forma pacífica o enriquecimento de urânio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.