Irã boicotará reunião no Iraque se diplomatas não forem soltos

O Irã ameaça não comparecer a uma conferência multilateral sobre o Iraque, em maio, caso os Estados Unidos não libertem cinco iranianos presos no Iraque, disse um jornal Kayhan nesta quarta-feira, 11. "Lembramos às autoridades iraquianas que, enquanto os diplomatas iranianos não forem soltos, a participação do Irã em qualquer conferência sobre o Iraque com a presença (dos Estados Unidos) da América enfrentará um sério problema e obstáculo", disse Abbas Araghchi, alto funcionário da chancelaria, ao jornal radical Kayhan. Em janeiro, as forças dos EUA prenderam cinco iranianos acusados por Washington de serem ligados à Guarda Revolucionária do Irã e apoiarem militantes iraquianos. O Irã nega as acusações, diz que os presos são diplomatas e exige sua libertação. Araghchi representou o Irã numa reunião em março envolvendo os EUA, outras potências mundiais e os vizinhos do Iraque. Naquele encontro, ele falou com o então embaixador dos EUA em Bagdá, Zalmay Khalilzad. A reunião marcada para maio será em nível ministerial. Autoridades dos EUA dizem que a secretária de Estado Condoleezza Rice estaria aberta a conversas com o Irã sobre seu papel no Iraque, mas Teerã diz não ter planos de realizar tal reunião. O Irã disse no mês passado ter alertado em carta ao Iraque que a não libertação dos cinco supostos diplomatas poderia abalar a cooperação de Teerã com Bagdá. O chanceler iraquiano, Hoshiyar Zebari, disse não ter recebido tal carta. Os militares dos EUA disseram estar considerando um pedido de visita do Irã aos presos. Uma equipe da Cruz Vermelha Internacional visitou-os e, segundo Araghchi, confirmou que eles gozam de "boa saúde".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.