Irã busca concessões em conversações nucleares

As conversações entre o Irã e Estados Unidos, França, China, Rússia, Reino Unido e Alemanha sobre o programa nuclear iraniano foram retomadas nesta quarta-feira. Teerã busca concessões econômicas específicas, mas os líderes ocidentais assinalam que querem a divulgação de mais informações antes de oferecer recompensas.

AE, Agência Estado

23 Maio 2012 | 09h44

Os negociadores tentam consolidar um acordo praticamente fechado na segunda-feira em a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e o Irã, que vai permitir que inspetores internacionais tenham acesso a instalações, cientistas e documentos que, segundo o Ocidente, são relacionados a um suposto programa de armamentos nucleares do Irã.

O bloco diplomático reunido em Bagdá, conhecido como P5+1, tenta fazer com que o Irã congele sua produção de combustível nuclear enriquecido a 20%, segundo diplomatas ocidentais, e envie seus estoques de combustível nuclear para uma terceiro país. Tais medidas têm como objetivo reduzir a capacidade do Irã de transformar seus estoques em material físsil para uma ogiva nuclear.

Em troca, o grupo oferece a Teerã uma série de incentivos econômicos, segundo funcionários envolvidos nas negociações. Dentre elas está o alívio das sanções que barram as exportações de peças de aviões norte-americanos para as aeronaves iranianas e ajuda para o desenvolvimento de aplicações não militares para a energia nuclear iraniana.

A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, que lidera o grupo de potências ocidentais, vai apresentar as medidas ao governo iraniano, cujo principal representante é o negociador nuclear Saeed Jalili.

Apesar disso, não são esperados grandes avanços nas negociações na capital iraniana, o que sugere que os envolvidos estão formulando suas estratégias e que o processo de negociação deve ser longo. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Irã nuclear conversações P5+1

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.