Irã condena 'massacre' da população na Líbia

O governo do Irã condenou o "massacre" do povo líbio realizado pelo regime do líder Muamar Kadafi. Teerã pediu às potências estrangeiras que atuem para interromper a repressão, dizendo que a revolta no país é parte de um despertar islâmico. "A extrema violência usada contra o povo líbio é inaceitável e nós a condenamos", afirmou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Ramin Mehmanparast, informou a agência Mehr.

AE, Agência Estado

22 de fevereiro de 2011 | 09h43

Segundo ele, os relatos sobre ataques contra "manifestantes e áreas residenciais por aviões e o massacre de inocentes é lamentável, e nós exigimos que as organizações internacionais tomem atitudes para parar isso". "A República Islâmica considera a revolta do povo líbio e suas demandas como justas e uma continuação do despertar islâmico nos países (da região)", afirmou o porta-voz.

Grupos pelos direitos humanos calculam que entre 200 e 400 pessoas tenham morrido desde o início dos protestos na Líbia, há uma semana. O país do norte africano é rico em petróleo e tem sido comandado por Kadafi há 41 anos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãcondenaçãomassacreLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.