Irã: condenado que sobreviveu a enforcamento ficará vivo

Uma agência de notícias iraniana informou que o ministro da Justiça, Mostafa Pourmohammadi, concluiu que "não há a necessidade" de matar um condenado que sobreviveu ao enforcamento.

Agência Estado

23 de outubro de 2013 | 08h54

A informação divulgada na terça-feira pela agência de notícias semioficial Isna cita o ministro afirmando que "não é necessária a re-execução" de um homem de 37 anos, condenado por contrabando de drogas. O réu foi identificado apenas por seu primeiro nome, Alireza.

No início deste mês, técnicos do necrotério descobriram que Alireza estava vivo, um dia depois de ele ter sido enforcado na cidade de Bojnourd, segundo informaram meios de comunicação

Seu caso provocou um debate e alguns especialistas em legislação afirmaram que ele deveria ser enforcado novamente. Na semana passada, a Anistia Internacional pediu que o Irã poupasse Alireza.

O tráfico de drogas é um de uma série de crimes que pode ser punido com pena de morte no Irã. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãJustiçaenforcamentosobrevivente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.