Irã construirá nova instalação para enriquecer urânio

O Irã anunciou hoje que vai construir até março uma nova instalação para o enriquecimento de urânio. Esse tipo de fábrica pode produzir combustível nuclear para usinas de geração de energia, assim como material para armas nucleares. A instalação é uma das dez aprovadas pelo Irã no ano passado e vai representar uma dramática expansão em seu controverso programa de enriquecimento de urânio.

AE-AP, Agência Estado

16 de agosto de 2010 | 10h52

O anúncio foi feito por Ali Akbar Salehi, diretor da Organização Iraniana de Energia Atômica, na emissora estatal de televisão. Ele disse que os locais para as construções já foram escolhidos, mas não revelou detalhes. "A construção de uma nova instalação para enriquecimento de urânio vai começar até o fim do ano (pelo calendário iraniano, ou seja, março de 2011) ou no início do próximo ano."

"As novas instalações de enriquecimento serão construídas dentro de montanhas. Todos esses lugares serão capazes de atender às necessidades de combustível do reator nuclear de produção de energia de Bushehr", disse ele, referindo-se à usina com potencial para gerar mil megawatts de energia construída no sul do país com a ajuda da Rússia, que vai começar a enviar combustível para a usina no sábado, com a perspectiva de que ela comece a operar até o fim de setembro.

Preocupação

Os Estados Unidos e seus aliados acusam o Irã de usar seu programa nuclear civil para encobrir o desenvolvimento de armas nucleares. O país persa nega a acusação, afirmando que seu programa nuclear tem como único objetivo gerar eletricidade. Steve Field, porta-voz do primeiro-ministro britânico David Cameron, afirmou hoje que o anúncio de Salehi é motivo de preocupação. "As informações que recebemos nesta manhã certamente não nos convence de que o Irã está se movendo na direção correta."

O Irã tem uma instalação de enriquecimento de urânio em escala industrial em Natanz, região central do Irã, com cerca de seis mil centrífugas em operação, além de outra menor, em construção perto de Qom. A república islâmica disse que precisa de 20 instalações de enriquecimento de larga escala para atender às necessidades domésticas de eletricidade de 20 mil megawatts nos próximos 15 anos.

A instalação de Qom, construída dentro de uma montanha para garantir a máxima proteção possível contra ataques aéreos, é uma versão menor de Natanz e ainda não está em operação. A revelação sobre a existência de uma instalação anteriormente secreta aprofundou as suspeitas do Ocidente sobre o programa de enriquecimento de urânio do Irã. As novas centrífugas serão mais avançadas do que as P-1, modelo antigo cujos exemplares foram adquiridos no mercado negro e estão em funcionamento em Natanz.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearusina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.