Alexsey Druginyn/Reuters
Alexsey Druginyn/Reuters

Irã contestará relatório da AIEA sobre programa nuclear

Teerã enviará carta à entidade 'analisando' documento que acusa país de buscar armas atômicas

Efe

16 de novembro de 2011 | 14h30

TEERÃ - O governo do Irã informou que responderá ao recente relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) no qual a entidade aponta que Teerã trabalhou para desenvolver armas nucleares, embora os iranianos afirmem que não foram apresentadas provas de que houve uma decisão para fabricá-las. As informações foram veiculadas nesta quarta-feira, 16, pela emissora de televisão pública IRIB.

 

Veja também:

documento PARA ENTENDER: O que diz o relatório da AIEA

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

lista NA ÍNTEGRA: O relatório da AIEA (em inglês)

especialESPECIAL: Tambores de guerra no Oriente Médio

especialESPECIAL: O programa nuclear do Irã

tabela HOTSITE:A tensão entre Israel e o Irã

 

"Vamos escrever uma carta de análise com respostas argumentadas ao último relatório do secretário-geral da AIEA, Yukiya Amano", disse o ministro das Relações Exteriores iraniano, Ali Akbar Salehi, sem detalhar quando a nota será enviada. A carta será dirigida aos representantes dos países-membros na AIEA e às instituições internacionais envolvidas no caso.

 

"Amano atuou de forma injusta e sem medir o que dizia", afirmou Salehi, que reiterou que o relatório foi feito sob "pressões de países ocidentais" e "solapou a credibilidade do organismo". Por essa razão, segundo o ministro iraniano, "ninguém acreditou nele".

 

De acordo com o chanceler, o Irã está em contato com a AIEA "para que a situação não piore, já que trata-se de uma instituição internacional importante, que deve seguir cumprindo suas responsabilidades". As atividades nucleares do Irã prosseguem, segundo Salehi, que repetiu que o "programa nuclear pacífico iraniano foi desenvolvido ao longo dos últimos dez anos sem parar".

 

Programa pacífico

 

Enquanto diversos países, com os Estados Unidos à frente, acreditam que o programa nuclear iraniano tem fins militares, as autoridades de Teerã reiteraram que seus objetivos são exclusivamente civis, especialmente gerar energia e usos médicos. No entanto, o Irã deixou claro que não pensa em abandonar seu programa nuclear e lembrou que o enriquecimento de urânio é autorizado pelo Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). "O Irã atuará com dignidade, sabedoria e de acordo com seus interesses", concluiu Salehi.

 

O relatório da AIEA sobre o Irã, publicado na terça-feira da semana passada, criou, ainda antes de sua divulgação, uma tempestade internacional na qual personalidades dos EUA, Israel e Reino Unido apontaram para a possibilidade de um ataque a instalações militares iranianas.

 

Alguns países da União Europeia propuseram que sejam aplicadas mais sanções para frear o programa nuclear iraniano, enquanto a Rússia e a China se opuseram às medidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.