Irã critica Rússia por não entregar combustível nuclear

O negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, criticou nesta terça-feira, 13, a decisão da Rússia de não enviar combustível neclear a Teerã em março, atrasando assim construção da primeiro reator nuclear no país.A agência nuclear federal da Rússia, Rosatom, divulgou que não iria entregar o combustível aos iranianos por conta do atraso de pagamentos em US$ 25 milhões.O Irã, no entanto, rejeitou a explicação dos russos, dizendo que cumpriu com todas as suas obrigações financeiras. "Documentos bancários estão disponíveis para provar que pagamos tudos até o mês de março", disse a Organização de Energia Atômica do Irã.Larijani sugeriu que esta medida russa aumentou ainda mais a determinação iraniana em continuar com seu programa de enriquecimento de urânio, embora a comunidade internacional pressione Teerã com sanções para que o projeto seja interrompido."Esta decisão (da Rússia) mostra que não há garantias para entregar combustível nuclear", disse Larijani segundo a agência de notícias islâmica Republic News.O anúncio foi feito pela Rússia na segunda-feira e significa que o primeiro reator iraniano não deve ficar pronto em setembro, como estava programado. Esta ação não era esperada pelo governo iraniano que contava com esta construção para negociar mais firmemente com a ONU."Os russos são aproveitadores", disse o parlamentar iraniano Rasoul Sediqi Bonabi nesta terça-feira. "Moscou nunca foi um parceiro confiável e nunca será no futuro"."A Rússia deve cumprir com suas abrigações dentro do prazo", disse Larijani.O porta-voz de Rosatom, Sergei Novikov, disse que o Irã não cumpre com suas responsabilidades financeiras desde os dia 17 de janeiro. Por este motivo, a empresa não entregou o combustível.Os dois países assinaram o contrato para a construção do reator em 8 de janeiro de 1995, e ele foi inicialmente projetado para começar a funcionar em julho de 1999. Os iranianos dizem que o projeto está quase pronto, e que apenas falta o combustível para que este comece a funcionar em setembro de 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.