AFP PHOTO / STR
AFP PHOTO / STR

Irã cumpre acordo nuclear com grandes potências, diz agência da ONU

País mantém seus inventários de urânio enriquecido dentro dos limites de pureza e quantidade estipulados, de acordo com a AIEA

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 14h21

VIENA  - O Irã cumpriu nos últimos três meses com as exigências do acordo nuclear pactuado com seis grandes potências em julho de 2015 e em vigor desde janeiro de 2016, segundo um documento confidencial da Agência Internacional da Energia Atômica (AIEA). 

O Irã mantém seus inventários de urânio enriquecido dentro dos limites de pureza e quantidade estipulados, uma medida cujo objetivo é fazer com que Teerã não possa desenvolver armamento nuclear em um curto prazo.

A AIEA afirma que seus inspetores visitaram todas as instalações e fizeram medições de vigilância nos centros nucleares iranianos previstos no acordo, que entre outros limita as atividades atômicas do país por um prazo de entre dez e 25 anos. Em troca, as potências que firmam o pacto  – Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha– - suspenderam suas sanções comerciais, diplomáticas e nucleares contra o Irã.

O acordo, assinado pelo ex-presidente Barack Obama, foi considerado repetidamente pelo atual presidente Donald Trump como um acordo ruim. Por sua vez, o presidente do Irã, Hassan Rohani, ameaçou se retirar do acordo caso Washington aplicasse novas sanções.

Na semana passada, a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Nikki Haley, visitou Viena para pedir à AIEA que o Irã cumpra estritamente com suas obrigações.

Detalhes. O relatório indica que as autoridades iranianas mantêm paralisadas as obras em Arak, onde o Irã previa construir um reator de água pesada que poderia produzir plutônio, um material usado em bombas nucleares.

As reservas iranianas de água pesada eram de 111 toneladas métricas em 7 de agosto e em nenhum momento durante o período de inspeção ultrapassaram as 130 toneladas, como exige o acordo.

O texto da AIEA  aponta também que Teerã continua permitindo o uso de mecanismos de vigilância a distância e selos eletrônicos, bem como o trabalho dos inspetores, inclusive as visitas surpresa às suas instalações.

O acordo procura limitar a capacidade e a magnitude do programa atômico iraniano para garantir que não seja possível desenvolver armas nucleares em menos de 12 meses.

Esse período daria tempo à comunidade internacional para reagir caso sejam detectadas atividades proibidas. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.