Reuters
Reuters

Irã decide aceitar ajuda internacional após terremotos

União Europeia ajudará, mas não vai relaxar as sanções impostas a Teerã por causa de seu programa nuclear

AE, Agência Estado

14 de agosto de 2012 | 12h42

BRUXELAS - O governo e o Crescente Vermelho iranianos aceitaram, nesta terça-feira, 14, aceitar ajuda internacional para atender as vítimas dos terremotos do último sábado. Inicialmente, o país havia recusado auxílio externo. A mudança de atitude mostra que o Irã enfrenta problemas para lidar com a situação.

Veja também:

link Equipes de resgate encontram mais corpos após terremotos no Irã

link Governo do Irã é criticado por ação pós-terremoto

link Terremotos matam 306 e deixam 3037 feridos no Irã

A União Europeia (UE) está preparada para oferecer ajuda humanitária ao Irã, afirmou o porta-voz da Comissão de Respostas a Crises e Ajuda humanitária da UE, David Sharrock. Segundo ele, a UE tem monitorado de perto a situação desde que os terremotos atingiram o noroeste iraniano.

Os tremores, com magnitude de 6,4 e 6,3 mataram 306 pessoas, feriram mais de 3 mil e deixaram dezenas de milhares desabrigadas. O governo iraniano diz ter providenciado abrigo para 50 mil pessoas que perderam suas casas durante os terremotos, que foram seguidos de vários tremores secundários.

"A Comissão Europeia analisa como pode levar apoio, principalmente ao Crescente Vermelho iraniano, que trabalha na região afetada", declarou Sharrock.

Não está claro como será a ajuda, mas em desastres naturais anteriores a UE e Estados membros enviaram equipes de busca, equipamentos para encontrar pessoas presas nos escombros, hospitais de campo e outros equipamentos médicos, assim como comida, água e barracas.

Autoridades da UE, porém, reafirmaram que o bloco, composto por 27 países, não vai relaxar as sanções impostas a Teerã por causa de seu programa nuclear. 

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.