Irã desata corrida armamentista no Golfo Pérsico

Ao que tudo indica, os países do Golfo Pérsico não pretendem esperar os resultados da sequência de sanções contra o Irã aprovadas pelo Conselho de Segurança da ONU. Os líderes sunitas de Arábia Saudita, Emirados Árabes, Bahrein e Kuwait, além dos tolerantes ibadis, de Omã, temem a hostilidade dos xiitas iranianos. Nos últimos quatro anos, governos da região compraram US$ 37 bilhões em equipamento militar dos EUA. De acordo com a analista Frida Ghitis, em artigo recente escrito para o site World Politics Review, os contratos já firmados pelas oligarquias do Golfo renderão US$ 123 bilhões aos americanos nos próximos quatro anos.

Cenário: Cristiano Dias, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2010 | 00h00

A reação de Israel é dúbia. Apesar de um certo alívio pelo fato de o arsenal estar sendo comprado por causa do Irã, muitos militares israelenses estão apreensivos, já que o mundo árabe não é exatamente um aliado histórico do país.

"Hoje, esses aviões estão voltados para o Irã, mas amanhã podem ser usados contra nós", declarou em agosto um funcionário do governo israelense ao jornal Haaretz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.