Ebrahim Noroozi/ AP
Ebrahim Noroozi/ AP

Irã diz à ONU que tem o direito à legítima defesa

O embaixador do Irã nas Nações Unidas disse que o assassinato do general iraniano Qassim Suleimani foi um ‘ato de guerra’

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2020 | 22h16

WASHINGTON e NY - O Irã disse ao Conselho de Segurança das Nações Unidas nesta sexta-feira, 3, que se reserva ao direito de legítima defesa dentro do direito internacional depois dos ataques americanos que mataram o general iraniano Qassim Suleimani, o chefe do Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã.

O embaixador do Irã nas Nações Unidas Majid Takht Ravanchi escreveu numa carta que o assassinato de Suleimani “por qualquer medida, é um um óbvio exemplo de terrorismo de Estado e, como um ato criminoso, constitiui uma violação grosseira dos princípios fundamentais do direito internacional”.

Ainda nesta sexta, em entrevista à CNN, Ravanchi disse que o assassinato de Suleimani  foi “o equivalente a começar uma guerra” e que “a resposta para uma ação militar é uma ação militar”.

Os Estados Unidos procuram justificar o assassinato do general pelo artigo 51 da ONU da Carta das Nações Unidas, que cobre um direito individual ou coletivo de defesa contra ataques armados. Os Estados Unidos usaram o recurso em 2014 ao agirem na Síria contra o Estado Islâmico. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.