Irã diz estar disposto a parar de enriquecer urânio a 20%

Apesar de ceticismo de EUA e aliados, iniciativa pode servir como primeiro passo para a retomada de negociações

Gustavo Chacra, correspondente em Nova York, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

A principal autoridade do programa nuclear iraniano confirmou ontem que o Irã está disposto a suspender o enriquecimento de urânio a 20%, conforme exigem as potências ocidentais.

Apesar do ceticismo da comunidade internacional, a iniciativa pode servir para a retomada das negociações com o regime de Teerã. "Temos repetido que continuamos com o enriquecimento de urânio a 20% por necessidade", disse Ali Akbar Salehi, diretor da Organização de Energia Atômica do Irã em entrevista a uma rede de TV. "Se nossas necessidades de combustível nuclear forem garantidas por outros meios, estamos dispostos a fazer uma revisão."

Nos últimos dias, os iranianos têm dado sinais de que querem voltar a negociar, usando como base o acordo de troca de 1.200 kg de urânio a baixo enriquecimento por combustível nuclear, firmado com Brasil e Turquia. Na época do acordo, dois obstáculos foram apontados pelo sexteto, formado pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha. Primeiro, a quantidade total era suficiente em outubro, mas os iranianos haviam enriquecido mais urânio até maio, quando anunciaram o acordo com Brasil e Turquia. O segundo entrave era a relutância dos iranianos em suspender o enriquecimento. Sem acordo, o CS aprovou em junho a quarta rodada de sanções contra o Irã, apesar dos votos contrários de brasileiros e turcos.

Salehi acrescentou que, se receber "respostas positivas" da oferta, o Irã poderia imediatamente estabelecer um cronograma para negociações. O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, declarou que esse diálogo deveria incluir outros países, mas não especificou quais.

O Departamento de Estado afirmou que o Irã costuma enviar sinais contraditórios, mas os EUA estão sempre dispostos a negociar uma saída para a questão nuclear iraniana. Antes de Salehi dar as declarações, o chanceler turco, Ahmet Davutoglu, tinha dito que os iranianos estão dispostos a suspender o enriquecimento de urânio. Segundo o sexteto, o Irã busca com seu programa nuclear desenvolver armas atômicas. O regime de Teerã afirma que seu programa tem fins energéticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.