Irã diz estar pronto para diálogo nuclear 'justo' com potências

TEERÃ - O Irã está pronto para retomar as conversas internacionais sobre seu programa nuclear, contanto que elas sejam "justas", disse nesta quinta-feira, 23, o ministro das Relações Exteriores, Manouchehr Mottaki. Na quarta, o grupo 5+1, que negocia com o Irã sobre seu programa nuclear, afirmaram em Nova York que queriam uma solução negociada rapidamente para o impasse envolvendo o país persa.

AE, Agência Estado

23 de setembro de 2010 | 10h04

 

O 5+1, formado pelos cinco países com assentos permanentes no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) - EUA, China, Rússia, Reino Unido e França - mais a Alemanha, anunciou a nova abertura diplomática nos intervalos da Assembleia Geral da instituição.

 

"Mottaki reiterou a prontidão do Irã para negociações com o Grupo de Viena e o 5+1", afirmou a televisão estatal iraniana em seu site. "As conversas podem ser bem-sucedidas, contanto que sejam justas e o direito do Irã ao uso de energia nuclear pacífico seja reconhecido", afirmou Mottaki em encontro ontem, em Nova York, com o chanceler chinês, Yang Jiechi.

 

O Grupo de Viena inclui EUA, França e Rússia, além da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Esse grupo fechou um acordo para troca de combustível com o Irã em outubro de 2009. O acordo, no entanto, está paralisado.

 

Em junho, o Conselho aprovou uma quarta rodada de sanções contra o país persa, pela recusa de Teerã a parar de enriquecer urânio. Como resposta, o Irã suspendeu o diálogo até setembro. Teerã afirma ter apenas fins pacíficos em seu programa nuclear, mas potências lideradas pelos EUA temem que o governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad busque secretamente armas nucleares.

 

O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, William Hague, disse que agora é o momento de haver um "diálogo construtivo de fato" com o Irã sobre o impasse. "O mundo não esquecerá desse assunto", afirmou ele. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nucleardiálogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.