Irã diz ONU não tem base legal para interferir no programa nuclear

"Esperamos que o Conselho de Segurança não chegue a impor sanções. Mas não nos sentiríamos intimidados. Se essa for a decisão, as outras partes também perderiam muito", disse o embaixador iraniano em Manila, Jalal Kalantari. Num encontro com correspondentes estrangeiros, ele defendeu o direito "inegável" de o Irã desenvolver energia nuclear para fins pacíficos. Também afirmou que "não há base legal para envolver o Conselho de Segurança" no caso. Para ele, a questão deve ser discutida "de um pontode vista técnico, e não político, por parte da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)". "Optamos pelo caminho da negociação e da cooperação com a AIEA, e dissemos ao grupo formado por EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha que estamos dispostos a cooperar sem pressões e sem precondições", acrescentou o embaixador. O representante iraniano insistiu que ceder neste ponto "abriria um precedente" muito grave. "O caso do Irã pode se aplicar a qualquer outro país emdesenvolvimento que queira produzir energia nuclear para melhorar a vida e o bem-estar de seu povo. O Ocidente poderia bloquear a buscade prosperidade de outros países", disse. Ele citou dados sobre a necessidade de o Irã buscar fontes de energia alternativas ao petróleo para suprir suas necessidades de crescimento econômico e de população. "Em vinte anos, o país passará a ser importador de energia" se não desenvolver alternativas, previu. Kalantari afirmou que desde a Revolução Islâmica o país tem sido vítima de uma "campanha de obstrução, intervenção e desinformação". O diplomata disse que a usina nuclear de Bushehr, que está sendo construída com ajuda russa, "poderá começar a funcionar em meados de 2007", mas "não há ainda uma previsão para construir outras".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.