Denis Balibouse / Reuters
Denis Balibouse / Reuters

Irã diz que acordo nuclear é possível em negociação desta semana

EUA podem suspender algumas sanções em troca de congelamento do programa nuclear

O Estado de S. Paulo,

07 de novembro de 2013 | 10h29

O chanceler iraniano, Mohammad Zarif, disse nesta quinta-feira, 7, que é possível se chegar a um acordo que abriria as portas para resolver o impasse nuclear de uma década entre o Irã e as potências ocidentais nesta semana. Para isso, na avaliação do diplomata, negociadores de ambos os lados precisarão fazer o máximo de esforço.

Representantes do Irã e do grupo composto por EUA, Grã-Bretanha, Alemanha, França, Rússia e China estão reunidos em Genebra, na Suíça, desde o começo da manhã. O governo americano está disposto a suspensão parcial das sanções econômicas impostas ao país em troca de um congelamento imediato do programa nuclear iraniano, verificável de maneira independente.

"Se todo mundo tentar o seu melhor, podemos ter um (acordo)", disse Zarif a jornalistas após um café da manhã com a chefe de política externa da União Europeia, Catherine Ashton.

Zarif foi questionado se seria concebível um acordo a partir das negociações de quinta e sexta-feira em Genebra entre o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China) mais a Alemanha. "Nós esperamos negociações sérias. É possível", afirmou o chanceler.

Fontes de alto escalão do governo americano indicaram que a medida seria uma forma de "criar um espaço para que um acordo definitivo" possa ser negociado. Mas a Casa Branca deixa claro: se o Irã não der demonstrações de que pode frear seu programa nuclear ou sinalizar que apenas está ganhando tempo, as sanções voltariam e novas medidas poderiam ser impostas.

EUA e Irã entraram em uma nova fase de negociações depois da saída de Mahmoud Ahmadinejad da presidência em Teerã. Os dois governos retomaram as conversas e os iranianos deixaram claro que querem um acordo. Mas insistem que, ao final das negociações, querem também um reconhecimento de que o Irã pode manter sua tecnologia nuclear para fins pacíficos.

Zarif disse em uma publicação no Facebook: "Após a abertura da assembleia, meus colegas e representantes dos (seis) países vão começar negociações muito difíceis que agora alcançaram o estágio de entrar em detalhes, o que é sempre difícil e minucioso." / REUTERS, COM JAMIL CHADE

Tudo o que sabemos sobre:
Irãimpasse nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.