Irã diz que continuará a enriquecer urânio para usina

O Irã afirmou hoje que continuará com seu controverso programa de enriquecimento de urânio com a finalidade de fornecer combustível para a usina nuclear de Bushehr, construída pela Rússia. A usina começará a funcionar neste fim de semana. "O enriquecimento para a produção de combustível para a usina de Bushehr e outras usinas irá continuar", afirmou o chefe do programa nuclear do Irã, Ali Akbar Salehi, segundo a agência estatal Irna.

AE, Agência Estado

20 de agosto de 2010 | 10h19

A primeira usina nuclear do Irã, na cidade portuária de Bushehr, no sul do país, será inaugurada neste sábado. A Rússia construiu as instalações e também fornece o combustível. Salehi disse, porém, que seu país pretende começar a produzir urânio enriquecido, pois o Irã pode não estar sempre em condições de comprar esse material da Rússia. "A usina de Bushehr tem uma vida útil de 60 anos e nós pretendemos usá-la para 40 anos. Suponha-se que compremos combustível durante dez anos da Rússia. O que faremos nos 30 ou 50 anos seguintes?", avaliou ele.

O especialista disse que o contrato com Moscou não estipula que Teerã sempre comprará combustível russo. O memorando, porém, prevê que a Rússia suprirá a demanda iraniana. A usina nuclear deve começar a funcionar após um atraso de mais de três décadas.

Em um texto separado, a agência Irna citou Ali Asghar Soltanieh, o enviado iraniano na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), afirmando que a inauguração da usina representa "o domínio (do Irã) sobre o ciclo do combustível nuclear".

A usina de Bushehr não está diretamente sob sanções das Nações Unidas, mas Teerã já sofreu quatro rodadas de sanções no Conselho de Segurança por se recusar a interromper o programa de enriquecimento de urânio. Esse processo pode ser usado tanto para fins pacíficos quanto para a produção de bombas. Teerã nega qualquer intenção de produzir armas nucleares, mas os membros do Conselho de Segurança suspeitam que o país mantenha um programa secreto para buscar essas armas. A última rodada de sanções no conselho da ONU contra o Irã foi imposta em 9 de junho.

Ataque preventivo

Os Estados Unidos convenceram Israel de que o Irã levariam um ano ou mais para obter uma arma nuclear, o que teria diminuído as chances de um ataque preventivo dos israelenses contra instalações nucleares do país persa, afirmou o jornal The New York Times no fim da quinta-feira. A informação foi fornecida por um alto conselheiro do presidente Barack Obama para assuntos nucleares, Gary Samore, no site do jornal. Samore disse que o Irã deve levar no mínimo um ano para possuir uma arma nuclear.

No passado, Israel já deu a entender que pode atacar instalações nucleares do Irã. Segundo os israelenses, caso os iranianos construam uma bomba, isso representaria uma ameaça direta a seu território. Israel acredita que o Irã leve apenas alguns meses para conseguir essa bomba.

O ministro de Defesa do Irã, Ahmad Vahidi, afirmou nesta sexta-feira que o país testou um míssil terra-terra, chamado Qiam. O ministro não informou o local do teste, que teve imagens divulgadas pela televisão estatal. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.