J.T. Armstrong/ AP
J.T. Armstrong/ AP

Irã diz que é 'possível' acordo com EUA sobre prisioneiros e programa nuclear

As afirmações são uma reação às declarações de domingo do emissário americano para o Irã, Robert Malley, que estimou pouco provável um acordo entre Washington e Teerã

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2022 | 13h32

TEERÃ - Teerã disse nesta segunda-feira,24, que é "possível" chegar a um acordo sobre o programa nuclear e a libertação de quatro americanos detidos no Irã, informou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores.

"São dois caminhos diferentes, mas se a outra parte (Estados Unidos) tiver a determinação, existe uma possibilidade de um acordo confiável e duradouro para os dois temas em um período curto de tempo", disse o porta-voz da diplomacia iraniana, Said Khatibzadeh.

Essas afirmações são uma reação às declarações de domingo do emissário americano para o Irã, Robert Malley, que estimou pouco provável um acordo entre Washington e Teerã sobre o programa nuclear se o Irã mantiver os quatro americanos presos.

Os quatro detidos são o empresário iraniano-americano Siamak Namazi, de 50 anos, seu pai Baquer, de 85 anos, o ambientalista Morad Tahbaz, de 66 anos, e Emad Shargi, um homem de negócios de 57 anos.

Em relação aos iranianos detidos nos Estados Unidos, Khatibzadeh classificou a situação como "uma questão humanitária" que está na agenda entre ambos os países.

O funcionário iraniano estimou que há "progressos" no diálogo em Viena sobre o programa nuclear, mas disse que ainda há "questões importantes" pendentes, que exigem decisões políticas por parte de Washington.

As negociações para restabelecer o acordo nuclear iraniano foram retomadas em novembro com o objetivo de reviver o pacto selado em 2015 entre Teerã e Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha.

Após a retirada unilateral dos Estados Unidos do acordo em 2018, esse diálogo busca fazer com que o Irã volte a cumprir com as condições do pacto para limitar seu programa nuclear./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.