Meghdad Madadi / TASNIM NEWS / AFP
Meghdad Madadi / TASNIM NEWS / AFP

Irã diz que emitiu dois alertas antes de abater drone americano

Chefe da força aeroespacial da Guarda Revolucionária diz que aeronave de vigilância foi abatida depois de não responder ao alerta final dos militares iranianos; emissora estatal exibe supostos destroços do aparelho

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2019 | 11h05

TEERÃ - O Irã emitiu duas advertências antes de derrubar na quinta-feira o drone americano sobre o Mar de Omã, declarou nesta sexta-feira, 21, o chefe da força aeroespacial da Guarda Revolucionária, o Exército ideológico do regime.

"Em duas ocasiões, enviamos advertências", disse o general de brigada Amir Ali Hajizadeh na televisão estatal. "Este aparelho tem um sistema que permite retransmitir a um sistema central sinais e informações que recebe", acrescentou.

"Infelizmente, uma vez que não respondeu às advertências, um último alerta foi anunciado pelo Exército da República Islâmica às 03h55 (20h25 de quarta-feira no horário de Brasília). Mas visto que não parou de se aproximar e que não desviou de sua trajetória, às 4h05, fomos obrigados a abatê-lo", afirmou o oficial.

O "drone espião do regime terrorista americano" foi derrubado depois de entrar no espaço aéreo iraniano, concluiu o general Hajizadeh, enquanto Washington diz que o aparelho foi atingido no espaço aéreo internacional.

"Provas irrefutáveis" 

Teerã também afirmou que tem "provas irrefutáveis" de que o drone americano entrou em seu espaço aéreo, ao contrário do que alega Washington.

O vice-ministro iraniano das Relações Exteriores, Abbas Araghchi, apresentou um "protesto veemente" pelo incidente ao embaixador da Suíça em Teerã (que representa os interesses americanos no Irã) em uma conversa por telefone e citou "provas irrefutáveis de que o drone violou o espaço aéreo iraniano", afirma um comunicado.

"Algumas partes da fuselagem do drone foram recuperadas em águas territoriais iranianas", disse Araghchi ao embaixador suíço Markus Leitner.

"Araghchi pediu às forças americanas que respeitem as fronteiras marítimas e aéreas do Irã", antes de acrescentar que esta não foi a primeira vez que os americanos violaram o território iraniano desta maneira, segundo o ministério das Relações Exteriores. "Já havia acontecido várias vezes", disse.

O diplomata iraniano reiterou que seu país "não busca a guerra e advertiu às forças americanas contra qualquer medida pouco pensada na região", antes de completar que o Irã "defenderá resolutamente seu território contra qualquer agressão".

De acordo com o comunicado, Leitner, que se comprometeu a "transmitir imediatamente" a mensagem iraniana ao governo dos Estados Unidos, foi "convidado a visitar o ministério das Relações Exteriores nesta sexta-feira para receber mais detalhes sobre o incidente".

Destroços do drone

A televisão estatal iraniana exibiu nesta sexta imagens do que apresentou como destroços do drone da Marinha americana derrubado na véspera.

O canal IRIB 1 exibiu uma curta sequência com um jornalista que entrevistava um general da Guarda Revolucionária diante do que o militar apresentou como destroços "recuperados na superfície" em águas territoriais iranianas.

De acordo com a emissora, as imagens foram filmadas em uma base da Guarda Revolucionária, mas a localização não foi revelada. O general afirmou que outras partes do drone afundaram. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.