Presidência do Irã / EFE
Presidência do Irã / EFE

Irã diz que produz 5 kg de urânio enriquecido por dia e opera centrífugas mais avançadas

Teerã afirma que multiplicou em mais de 10 vezes a produção da substância desde que abandonou as restrições impostas pelo acordo de 2015

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2019 | 08h48
Atualizado 04 de novembro de 2019 | 11h27

TEERÃ - O Irã anunciou nesta segunda-feira, 4, sua mais recente violação ao acordo nuclear assinado com potências mundiais. O país disse que atualmente produz 5 kg de urânio enriquecido por dia, multiplicando em mais de 10 vezes a produção do material desde que abandonou as restrições impostas pelo tratado de 2015.

Teerã afirmou ainda que opera centrífugas mais avançadas que foram banidas no tratado e trabalha em um protótipo que é 50 vezes mais rápido do que as permitidas.

Em declarações a uma emissora local, Ali Akbar Saléhi, vice-presidente da República Islâmica e chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, disse que nos últimos dois meses o país desenvolveu dois novos modelos de centrífugas, um dos quais já entrou no período de testes.

Para Entender

Os detalhes do acordo nuclear negociado em 2015 com o Irã

Teerã e o grupo P5+1 (EUA, Grã-Bretanha, França, Rússia, China mais Alemanha) colocaram fim ao impasse de anos sobre o programa nuclear iraniano

O anúncio foi feito no dia em que o Irã lembra os 40 anos da tomada da embaixada dos Estados Unidos em Teerã, o que iniciou uma crise de reféns que durou 444 dias. Diversas manifestações anti-EUA devem ser realizadas nesta segunda em várias cidades do país.

Reação

A União Europeia (UE) pediu a Teerã que cumpra com seus compromissos do acordo nuclear. "Vimos as últimas notícias. A única coisa que podemos dizer neste momento é que tomamos nota", afirmou a porta-voz da diplomacia europeia, Maja Kocijancic, acrescentando que o bloco aguarda a avaliação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)/ AFP e AP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.