Irã diz que resolução da ONU será encarada como ´ato hostil´

O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, avisou nesta terça-feira à União Européia que qualquer medida tomada pela ONU contra seu programa nuclear não será bem recebida. "A partir de agora, se quiserem dar um passo contra os nossos direitos, seja nas organizações internacionais ou mediante propaganda, o Irã receberá a postura como um ato hostil", disse.Ahmadinejad acrescentou que o país poderá rever suas relações com a União Européia, em resposta "a dois ou três países (França, Alemanha e Reino Unido) europeus que insistem há vários anos em cercear os direitos da população iraniana".O presidente iraniano ressaltou também que a postura destes países em relação ao programa nuclear tem como objetivo impedir o desenvolvimento do povo com o pretexto de que estão preocupados com a produção de armamento nuclear. "Eles mentem quando dizem que estão preocupados com a proliferação de armas nucleares", afirmou.Além disso, Ahmadinejad destacou que "o povo iraniano iniciou seu caminho glorioso com a conclusão de seu círculo de produçãode combustível e continuará com toda força para poder produzir combustível nuclear para todas as suas usinas". O presidente assegurou que até o fim do ano iraniano, em março, o povo do Irã fará uma festa nuclear, sem dar mais detalhes.As declarações de Ahmadinejad coincidem com a reunião de diplomatas de França, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos, Rússia e China em Paris para analisar uma possível resolução do Conselho de Segurança da ONU com eventuais sanções ao Irã por manter seu programa nuclear.Estes países suspeitam que o Irã tenha a intenção não declarada de desviar seu programa atômico para fins militares, apesar de Teerã insistir em que só o empregará com fins pacíficos.A candidata socialista à presidência francesa, Ségolène Royal, prometeu na segunda-feira durante uma reunião com parlamentares israelenses que, se vencer as próximas eleições, lutará para impediro Irã de se transformar em uma potência nuclear.Carta aos americanosNo discurso pronunciado nesta terça-feira, Ahmadinejad lembrou as duas cartas que enviou ao presidente e ao povo dos EUA. "Na carta dirigida ao presidente dos EUA (George W. Bush), oconvidamos a seguir o caminho da verdade, de Deus, dos profetas, da justiça, do amor, da paz e da segurança, mas vimos que insistiu em seu egoísmo e rejeitou a mensagem da verdade", afirmou.Na segunda carta, enviada ao povo americano, o presidente disse que o convidou à verdade, ao monoteísmo, à humanidade e a seguir ocaminho dos profetas. "Espero que (o povo) não seja cego e surdo e aceite este convite", ressaltou. Matéria ampliada às 11h10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.