Caren Firouz/Reuters
Caren Firouz/Reuters

Irã diz que vai retaliar sanções de Trump contra chefe do Judiciário

País persa chamou de 'hostil' a ação do presidente americano e afirmou que ela terá uma reação da República Islâmica

O Estado de S.Paulo

13 Janeiro 2018 | 04h53

DUBAI - O Irã disse neste sábado, 13, que vai retaliar as sanções impostas ao seu poder judiciário pelos Estados Unidos, enquanto o presidente americano, Donald Trump, busca intensificar os esforços para "consertar" um acordo nuclear entre Teerã e as principais potências mundiais.

"A ação hostil do regime Trump (contra Sadeq Larijani) ... cruzou todas as linhas de conduta na comunidade internacional e é uma violação do direito internacional e certamente será respondida por uma reação da República Islâmica", disse o Ministério do Exterior do Irã em uma declaração realizada pela mídia estatal.

Nesta sexta-feira, 12, o líder americano aprovou sanções contra 14 entidades e indivíduos, incluindo o chefe do Judiciário iraniano, o aiatolá Sadeq Larijani, que o governo dos EUA considera culpado pela violenta repressão aos recentes protestos no Irã.

++ Rohani sugere que protestos no Irã têm relação com falta de liberdades

Trump também disse que manteria o alívio nas sanções nucleares contra o Irã pela última vez para dar a Washington e seus aliados europeus "a última chance" de consertar as "falhas terríveis" do acordo nuclear de 2015.

O Irã disse que não está interessado em nenhuma renegociação e quase certamente verá um acordo paralelo entre os EUA e a Europa como uma violação do pacto. Os europeus, entretanto, disseram que estão dispostos a discutir o assunto com os EUA, mas mostraram pouco entusiasmo com a linha dura de Trump.

++ Trump nega uso do termo 'países de m...' ao falar sobre imigrantes

O chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse no Twitter que a decisão de Trump enfraqueceu o acordo e denunciou "uma tentativa desesperada de sabotar um sólido acordo multilateral". /Reuters e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.