Irã e líderes mundiais continuam reunião em Moscou

O Irã e os líderes das principais potências mundiais iniciaram o segundo dia de conversações em Moscou, na Rússia, a fim de quebrar um impasse sobre o programa nuclear iraniano, crise que já dura uma década.

AE, Agência Estado

19 de junho de 2012 | 11h05

Com os Estados Unidos e Israel se recusando a descartar uma ação militar e o Irã enfrentando severas sanções econômicas, o preço do fracasso na capital russa poderá ser alto, mas não houve sinal de progresso no primeiro dia das negociações.

Os negociadores dos Estados Unidos, China, Rússia, Alemanha, França e Reino Unido pediram ao Irã para reduzir seu enriquecimento de urânio, um processo que pode ser usado para produzir combustível nuclear, mas também o núcleo de uma ogiva nuclear.

Mas o negociador-chefe nuclear do Irã, Saeed Jalili, respondeu com uma lista de pedidos do país, afirmou uma fonte da União Europeia, deixando, aparentemente, ambos os lados, falando de forma contraditória.

"O principal obstáculo é o fato de que as posições das partes são bastante complicadas difíceis de conciliar", afirmou o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, depois da primeira fase da segunda-feira, segundo a agência de notícias Interfax.

O porta-voz da delegação da União Europeia Michael Mann indicou que nem tudo tinha sido harmonioso: "Tivemos uma troca intensa e difícil de pontos de vista", disse ele.

Os dois lados abriram o segundo dia de palestras plenárias à 5h (de Brasília) após o lado iraniano realizar discussões bilaterais durante a manhã com a delegação russa, enquanto o grupo de países ocidentais realizou uma reunião interna para coordenar a estratégia, disseram delegados.

Os representantes iranianos esperam que seus homólogos apresentem respostas para os pontos que haviam sido estabelecidos no dia anterior, enquanto o grupo de países ocidentais quer ver algum sinal de flexibilidade por parte do Irã. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
IrãnuclearMoscounegociações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.