Irã encerra negociação sobe troca de combustível nuclear

O Irã não vai mais negociar um acordo de troca de combustível com algumas das potências nucleares, informou o chefe da Organização Atômica do Irã, Fereydoun Abbasi Davani. Ele afirmou também que Teerã está pronto para uma cooperação mais próxima com a agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU).

AE, Agência Estado

29 de agosto de 2011 | 12h44

"Não vamos mais negociar a troca de combustível nuclear e interromper nossa produção de combustível", afirmou Abbasi Davani em entrevista à agência estatal de notícias Irna. "Os Estados Unidos não são um país idôneo com o qual possamos negociar uma troca de combustível ou qualquer outra questão", disse ele.

O projeto de troca de combustível nuclear apresentado pela potências ocidentais oferece à república islâmica a chance de trocar seu urânio com baixo enriquecimento (3,5%) por urânio enriquecido a até 20% para um reator de pesquisas médicas instalado em Teerã.

Mas o governo iraniano não concordou com o projeto e um ano mais tarde, em maio de 2010, com o apoio da Turquia e do Brasil, apresentou uma contraproposta para enviar à vizinha Turquia 1.200 quilos de urânio de baixo enriquecimento. As principais potências ignoraram a proposta iraniana.

Em Nova York, o Conselho de Segurança da ONU já ordenou várias vezes que Teerã interrompa seu enriquecimento de urânio até que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) comprove a natureza pacífica que suas atividades nucleares.

Apesar de ser alvo de quatro rodadas de sanções do Conselho de Segurança por causa de sua recusa em suspender o enriquecimento, o Irã permanece inflexível sobre a manutenção de seu programa nuclear e nega as afirmações do Ocidente de que busca construir uma bomba nuclear, afirmando que o urânio enriquecido a 20% está muito abaixo do 90% necessários para a fabricação de uma arma nuclear.

Abbasi Davani afirmou que o Irã está fazendo progressos em seu programa de enriquecimento de urânio. "Nós atingimos um nível de progresso que eles terão de negociar conosco para que possamos fornecer combustível a outros países, ou nos tornarmos seus parceiros", afirmou ele.

Ele também declarou que o Irã produziu "urânio a 20% suficiente" para o reator de Teerã e que vai manter a produção do material. "Não vamos parar", disse ele. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãnegociação nuclearencerramento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.