Irã enforca dois por protestos após eleições de 2009

O Irã enforcou hoje dois ativistas que, segundo o governo, são membros de um grupo exilado e haviam participado de protestos contra os resultados da eleição presidencial de 2009. As execuções ocorreram apesar dos apelos dos Estados Unidos pela libertação da dupla.

AE, Agência Estado

24 de janeiro de 2011 | 09h43

Um escritório da promotoria de Teerã identificou os condenados como Jafar Kazemi e Mohammad Ali Hajaghaei. Não foi informado o local das execuções. "Dois elementos do grupo Monafeghin (hipócritas) chamados Jafar Kazemi e Mohammad Ali Hajaghaei foram executados no início (do dia) de hoje", disse a promotoria em seu site, referindo-se ao grupo iraniano no exílio Mujahedin do Povo do Irã (PMOI).

Em 10 de agosto, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, pediu que as autoridades iranianas libertassem os dois ativistas. O PMOI, porém, está na lista de Washington de organizações estrangeiras terroristas. A União Europeia retirou o grupo de sua lista de organizações terroristas em 2009.

As execuções foram as primeiras de manifestantes que foram às ruas do país após a reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em junho de 2009. Para a oposição, a eleição foi fraudada. Durante as manifestações, dezenas de pessoas foram mortas, centenas se feriram e milhares acabaram presas pelas forças de segurança. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãativistasenforcamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.