Iranian Presidency / AFP
Iranian Presidency / AFP

Irã está determinado a expandir poderio militar e programa de mísseis, diz presidente

Hassan Rohani diz que país 'nunca pediu e nem pedirá autorização' para desenvolver armamentos e promete derrotar suposto complô de EUA, dos sionistas e de Estados reacionários do Oriente Médio contra a República Islâmica

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2019 | 08h32

TEERÃ - O presidente do Irã, Hassan Rohani, disse nesta segunda-feira, 11, que o país está determinado a expandir seu poderio militar e seu programa de mísseis balísticos, apesar da crescente pressão de países para restringir seu trabalho defensivo, informou a TV estatal do país.

“Não pedimos e não pediremos permissão para desenvolver tipos diferentes de... mísseis e vamos continuar nosso caminho e nosso poderio militar”, disse Rohani em discurso na praça Azadi (Liberdade, em persa) em Teerã, onde dezenas de milhares se reuniram para marcar o 40º aniversário da Revolução Islâmica do país.

Rohani também prometeu que derrotará sanções dos Estados Unidos, reimpostas após o presidente americano, Donald Trump, se retirar do acordo nuclear do Irã com potências mundiais no ano passado.

“O povo iraniano tem e terá algumas dificuldades econômicas (devido às sanções), mas vamos superar os problemas ajudando uns aos outros”, disse Rohani.

O líder iraniano também garantiu que "o inimigo" não alcançará "nunca os seus objetivos diabólicos" contra a República Islâmica, ao se referir a um suposto "complô" organizado pelos Estados Unidos.

"A presença do povo nas ruas de toda a República Islâmica do Irã (...) significa que o inimigo não alcançará nunca os seus objetivos diabólicos", disse o presidente diante de uma multidão, após denunciar um "complô" dos Estados Unidos, dos "sionistas" e dos Estados "reacionários" do Oriente Médio contra o Irã.

Festa da Revolução

O 22 bahman do calendário iraniano, feriado, comemora a derrubada do regime do xá Mohammad Reza Pahlavi há 40 anos, 10 dias depois do retorno triunfal do exílio do aiatolá Ruhollah Khomeini, fundador da República Islâmica do Irã.

Mulheres usando chador, crianças com balões, homens de roupas escuras, basijs (milícias islâmicas) uniformizadas e clérigos com turbantes desfilavam pela praça, sobrevoada por um helicóptero.

Duas réplicas de mísseis balísticos, de fabricação local, eram exibidas em uma rua. Não muito longe também era possível ver réplicas de mísseis de cruzeiro. 

A República Islâmica celebra o seu 40º aniversário com um programa bem estabelecido: como nos anos anteriores, as comemorações da Praça Azadi incluirem balões, flores lançadas de helicópteros, coros, uma aterrissagem de paraquedas, orações, discursos e slogans revolucionários, indica o programa oficial. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.