Irã está pronto para se defender da Al-Qaeda, diz ministro

Grupo reprova o apoio de Teerã ao governo do xiita Nouri al-Maliki no Iraque

Efe

11 Julho 2007 | 10h27

O ministro do Interior iraniano, Mustafa Pourmohammadi, minimizou nesta quarta-feira, 11, importância da recente ameaça da Al-Qaeda contra seu país, e afirmou que os órgãos de segurança do Irã estão dispostos a defender a República Islâmica. Pourmohammadi se referiu, segundo a agência Irna, a uma gravação publicada recentemente na internet e atribuída ao considerado líder da Al-Qaeda no Iraque, Abu Omar al-Baghdadi. No áudio, a rede terrorista ameaça atacar o Irã caso o país continue apoiando o governo do primeiro-ministro iraquiano, o xiita Nouri al-Maliki. Baghdadi deu dois meses "aos persas, em geral, e aos líderes iranianos, em particular," para que deixem de apoiar o Executivo iraquiano e "ponham fim a sua intervenção direta ou indireta" no Iraque. "A ameaça da Al-Qaeda não é nova, mas nossos órgãos de segurança e a Polícia estão preparados para defender a pátria", frisou o ministro. O Irã, cuja população de 70 milhões de habitantes é majoritariamente xiita, apóia abertamente o governo de Maliki, também controlado pela majoritária comunidade xiita do Iraque, e tem diferenças ideológicas com a Al-Qaeda, liderada pelo sunita Osama bin Laden. A comunidade xiita do Iraque atribuiu quase todos os atentados executados nos últimos anos contra os membros de sua comunidade a grupos sunitas vinculados à Al-Qaeda ou leais ao falecido presidente iraquiano Saddam Hussein (sunita). Por sua vez, os líderes sunitas iraquianos, assim como as autoridades americanas, acusam o Irã de apoiar milícias radicais xiitas ativas no Iraque, como o chamado Exército Mehdi, às quais são atribuídos atos de violência contra a comunidade sunita.

Mais conteúdo sobre:
Al-Qaeda Irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.