Irã estuda libertação de refém como prova de ´boa vontade´

Mohammad Ali Rahmani, representante do líder supremo iraniano, Ali Khamenei, afirmou neste sábado que a "imediata" libertação de Faye Turney, a única mulher entre os 15 militares britânicos detidos pelo Irã, mostraria a "boa vontade" do Governo. Rahmani, responsável pela organização político-ideológica das forças policiais iranianas, disse numa entrevista à agência semi-oficial "Mehr" que os militares do Reino Unido "invadiram deliberadamente as águas territoriais" de seu país.O clérigo apontou como modelo a ser seguido a atuação do aiatolá Khomeini durante a crise dos reféns americanos em 1979. Na época, o líder iraniano ordenou que as mulheres capturadas fossem libertadas. "Para mostrar o especial respeito do Irã pelas mulheres, a boa vontade para resolver o assunto e acalmar a tensão, a mulher arrependida deve ser libertada imediatamente", afirmou. Mas seus 14 companheiros "devem ser tratados de acordo com as leis internacionais", completou.Além disso, ele avisou que o Reino Unido deve tentar resolver a crise "através da diplomacia, em lugar de utilizar a propaganda midiática e complicar as coisas"."Os inimigos de nosso povo devem pensar mais logicamente sobre as conseqüências de sua conduta e lembrar que, se ultrapassarem as fronteiras terrestres, aéreas e marítimas iranianas, enfrentarão uma forte oposição. Os invasores deverão pagar um alto preço", ameaçou. Ainda segundo Rahmani, os Estados Unidos "tiveram um papel importante" nos últimos eventos, enquanto o Reino Unido "atua de uma maneira incomum para ganhar a atenção da opinião pública". "Esse é o modo de agir do colonialismo: atuar incorretamente, provocar tensão e usar a propaganda midiática para tirar proveito de uma oportunidade. Mas não estamos mais no século XIX e eles não podem usar as suas estratégias e ameaças colonialistas", afirmou"Em lugar de suspender as relações e fingir inocência, o Reino Unido deve aceitar as conseqüências de ter entrado nas águas territoriais iranianas", aconselhou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.