Irã expandiu seu programa nuclear, dizem diplomatas

O Irã está expandindo seu programa de enriquecimento de urânio mesmo com a ameaça de possíveis sanções do Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas, informaram diplomatas nesta segunda-feira.Os diplomatas, que falaram em condição de anonimato pois não estão autorizados a divulgar tais informações para a mídia, contaram à Associated Press que nas últimas semanas especialistas iranianos em energia nuclear começaram a atuar em uma segunda usina de enriquecimento de urânio. O Irã produziu uma pequena quantidade de urânio pouco enriquecido - utilizado apenas em usinas, e não em armas - em fevereiro. O processo de enriquecimento de urânio pode ser usado tanto para produzir eletricidade como para criar bombas atômicas, dependendo do nível de enriquecimento.O governo de Teerã informou que planeja instalar 3.000 centrífugas em sua usina de enriquecimento em Natanz, no centro do país, até o fim deste ano. A produção industrial de urânio enriquecido em Natanz deverá requerer 54.000 centrífugas.Ali Ashgar Soltanieh, enviado iraniano à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), disse que tem conhecimento de "novos desenvolvimentos" em Natanz. Mas ele contou à AP que todas as atividades nucleares "estão prosseguindo como o planejado".Em Teerã, o presidente Mahmoud Ahmadinejad disse que a capacidade nuclear de seu país teve um enorme crescimento, mesmo com as pressões ocidentais contra seu programa de enriquecimento, o qual o Irã insiste ter como objetivo gerar eletricidade. Mesmo assim, o Ocidente teme que o discurso pacifista esconda um plano secreto para a produção de armas atômicas."Os inimigos (...) querem impedir que alcancemos (a tecnologia nuclear)", disse Ahmadinejad a uma multidão no sul de Teerã. "Mas eles devem saber que, hoje, a capacidade de nosso país multiplicou dez vezes em relação ao mesmo período do ano passado." O presidente disse também estar disposto a negociar suas ambições nucleares. Porém as seis nações que lideraram as mais recentes tentativas de levar o Irã à mesa de negociações continuam pedindo ao país para que, antes de qualquer acordo, suspenda o enriquecimento.Anteriormente, Teerã rejeitou um pacote de incentivos oferecido por essas seis potencias mundiais - Estados Unidos, Rússia, China, Inglaterra, França e Alemanha - para que encerrasse o enriquecimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.