Irã: família de americano reclama de poucas informações

A família do ex-fuzileiro naval norte-americano Amir Hekmati, condenado à morte por espionagem no Irã, divulgou um comunicado em que reclama da falta de informações sobre o caso, meses após um novo julgamento ter sido ordenado, em março. A declaração é de que os familiares têm recebido "poucas e confusas informações" desde então. O comunicado também diz que Amir fará 29 anos neste sábado (28), e que a família espera sua volta em segurança.

AE, Agência Estado

27 de julho de 2012 | 20h01

Amir Hekmati foi acusado de trabalhar para a CIA e condenado à morte em janeiro deste ano, sendo o primeiro norte-americano a receber uma sentença de morte desde a Revolução Islâmica de 1979 no Irã. Sua família e o governo dos Estados Unidos negaram as acusações.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.