Irã fará valer seu direito de usar energia nuclear

O governo do Irã disse neste sábado que não vai fazer nada além das suas obrigações nem aceitar qualquer exigência contrária aos seus direitos estabelecidos no Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares. "Nós não vamos aceitar nada além das nossas obrigações e nada menos do que nossos direitos", comentou o principal negociador do país para a questão nuclear, Saeed Jalili, segundo noticiado pela agência de notícias ISNA.

ÁLVARO CAMPOS (ALVARO.CAMPOS@ESTADAO.COM), Agência Estado

23 de fevereiro de 2013 | 16h50

"O Irã cumpriu as obrigações do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares como um membro ativo e comprometido. Assim, nós devemos obter todos os nossos direitos", disse Jalili em um discurso para autoridades do setor nuclear iraniano. Os comentários são feitos antes de uma reunião entre o país e seis potências mundiais, no Casaquistão, na próxima terça-feira.

As conversas, que incluem Reino Unido, China, França, Rússia, Estados Unidos e Alemanha, serão as primeiras desde que três rodadas de negociação em Moscou terminaram em um impasse, em junho do ano passado. O grupo, chamado P5+1, pediu que o Irã reduza o enriquecimento de urânio, mas não ofereceu a Teerã um alívio nas sanções impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU). O Irã nega que esteja tentando construir uma bomba atômica e diz que seu programa nuclear tem fins pacíficos.

Neste sábado, o ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, disse que espera ações concretas nas negociações com o Irã no Casaquistão. "Infelizmente, nós já perdemos muito tempo. Nós queremos alcançar o começo de um processo de negociação substancial sobre o programa nuclear do Irã", afirmou em comunicado.

A comissária de Relações Exteriores da União Europeia, Catherine Ashton, confirmou que o P5+1 vai fazer uma nova oferta para o Irã, em uma tentativa de persuadir o país a interromper as atividades nucleares.

Na última quinta-feira, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) disse que o Irã instalou quase 200 modernas centrífugas na usina de enriquecimento de urânio de Natanz, no centro do país. Elas são capazes de triplicar a velocidade na qual o país aumenta seu estoque de material físsil.

A agência Reuters reportou neste sábado que o governo iraniano anunciou a descoberta de novas jazidas de urânio, além de identificar 16 locais para construir novas usinas de energia nuclear. Segundo a Organização Iraniana de Energia Atômica, as jazidas foram encontradas "em áreas costeiras no sul do país" e podem triplicar as reservas de urânio do Irã. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãenergia nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.