Irã faz novo teste com mísseis de médio e longo alcance

O Irã voltou a realizar hoje testes com mísseis no Golfo Pérsico, informou a televisão estatal da república islâmica. Ontem, a Guarda Revolucionária iraniana testou nove mísseis de longo alcance perto do Estreito de Ormuz, uma pequena faixa de água por onde passa 40% do suprimento mundial de petróleo. Os testes de hoje incluem os foguetes Fateh (conquistador) e Zelzal (terremoto), de médio alcance, assim como o Shihab-3, de longo alcance.A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse antes dos novos testes que os "Estados Unidos defendem a segurança da população no Golfo Pérsico" e farão "o possível para que o Irã não tenha a chance de ameaçar seus aliados".Depois de se reunir com o presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, Rice assinalou em entrevista coletiva em Tbilisi que os Estados Unidos empreendem medidas para que o "Irã leve em conta a opinião da comunidade internacional". "O Irã deveria voltar às negociações no formato vigente, já que as ameaças aos Estados Unidos e a outros países não fornecem nada de bom a ninguém", declarou a chanceler americana.Os mísseis testados ontem têm alcance de até 2 mil quilômetros - suficiente para atacar Israel e bases dos Estados Unidos no Oriente Médio.O ministro da Defesa iraniano, Mostafa Najjar, afirmou que os mísseis testados ontem têm um objetivo "puramente defensivo". "Nossos mísseis não serão utilizados para ameaçar nenhum país e seu único objetivo é repelir aqueles que tentem atacar o Irã. São para defender a paz no Irã e no Golfo Pérsico", indicou.O general Hossein Salami, comandante da força aérea da Guarda Revolucionária, afirmou ontem que os testes tiveram como objetivo "mostrar nossa determinação e poder contra os inimigos, que nas últimas semanas ameaçaram o Irã com uma linguagem dura".Os novos mísseis testados têm capacidade de alcançar o território de Israel, a Turquia, a Península Arábica, o Afeganistão e o Paquistão. "Teremos sempre o dedo no gatilho e nossos mísseis estão prontos para ser lançados", disse Salami à agência oficial Irna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.