Amir Pourmand/EFE
Amir Pourmand/EFE

Irã fecha acordo com AIEA sobre programa nuclear

Foram estabelecidas sete medidas práticas como parte das negociações para ampliar a transparência das ações

Com agências internacionais

09 de fevereiro de 2014 | 10h21

O Irã fechou, neste domingo, 8, um acordo com mais "sete medidas práticas" para ampliar a transparência do programa nuclear de Teerã. De acordo com a agência estatal de notícias IRNA, as autoridades ainda não divulgaram detalhes sobre o novo pacto de cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), da ONU.

Segundo Reza Najafi, enviado do Irã à AIEA, que tem sede em Viena, as medidas precisam ser implementadas até 15 de maio. No comunicado oficial da Agência de Energia Atômica do Irã, a AIEA reconheceu que o país tenha cumprido as recomendações feitas pelo órgão em novembro e se comprometeu a seguir mais sete passos para ampliar a transparência de seu programa nuclear.

No entanto, segundo a Agência de Energia Atômica do Irã, as novas recomendações não incluem a entrada de inspetores da AIEA à instalação nuclear de Parchín. Em entrevista à agência IRNA, o porta-voz Behrouz Kamalvandi disse que o governo vai colaborar com a AIEA para apagar qualquer ambiguidade sobre seu programa nuclear. "Dada a natureza da informação disponibilizada no espírito da cooperação, nós esperamos divulgar um relatório positivo para o conselho de governadores."

Há anos, Teerã rejeita as acusações de outros Estados de que seu programa atômico seja destinado à produção de armas nucleares. Em novembro, o governo iraniano concordou em fornecer informações mais detalhadas em troca da suspensão de sanções econômicas impostas sobre o país. O acordo também permitiu a visita de inspetores à mina de Gachín, na região de Bandar Abás, e na planta de Arak, no leste do Irã. Além disso, foram entregues informações sobre seus novos reatores e a identificação de 16 lugares onde novas usinas seriam instaladas.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAIEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.