Irã frustra Annan sobre questão nuclear

O chefe das nações Unidas ficou pouco satisfeito nesta segunda-feira, quando termina sua viagem pelo Irã, com a posição do presidente Mahmoud Ahmadinejad em relação às demandas internacionais que pedem a suspensão do enriquecimento de urânio. Ahmadinejad ainda teria ignorado os alertas para não incitar o ódio ao questionar o Holocausto. Já na questão do Líbano, Teerã teria se mostrado mais disposto a cooperar. Em movimento provocativo no último dia da visita de dois dias de Kofi Annan, o Irã anunciou que iria sediar uma conferência para examinar o que o país considera exageros sobre o Holocausto, durante o qual mais de seis milhões de judeus foram assassinados pelos nazistas.A ação foi realizada com o intuito de atrair a condenação da comunidade internacional sobre a postura do Irã em relação aos judeus. Horas após o anúncio, Annan reiterou sua insatisfação com a exibição em Teerã de charges que satirizam e questionam o Holocausto, e que teve início como resposta à publicação de charges por jornais europeus que satirizavam Maomé."Acho que a tragédia do Holocausto é um fato histórico inegável, e que devemos apenas aceitar o fato e ensinar às pessoas o que aconteceu na Segunda Guerra Mundial, e garantir que nunca se repetirá", disse Annan aos repórteres.O comentário foi feito após encontro com o presidente Mahmoud Ahmadinejad, mas o líder iraniano não acompanhou Annan na coletiva de imprensa.Ahmadinejad foi fortemente condenado no mundo todo por considerar o genocídio dos judeus pelos nazistas um mito, e ao dizer que Israel deveria ser varrido do mapa, ou se mudar para a Alemanha ou para os EUA.A exibição de charges sobre o Holocausto está sendo realizada para reiterar o repúdio do país às caricaturas feitas com o profeta Maomé nos jornais ocidentais. O Islã proíbe qualquer representação de Maomé, e os muçulmanos também se zangaram com o caráter negativo das charges.Annan primeiro expressou suas preocupações sobre a mostra, no encontro realizado no sábado com o ministro das Relações Exteriores iraniano, Manoucher Mottaki, segundo o porta-voz do chefe da ONU. Annan teria dito que "devemos evitar qualquer coisa que incite o ódio". A visita de Annan ocorreu após o Irã ignorar o prazo dado pelo Conselho de Segurança da ONU para o país suspender o enriquecimento de urânio até quinta-feira passada, permitindo que sanções possam ser adotadas contra Teerã. O Conselho de Segurança alega estar preocupado com a possibilidade de Teerã estar desenvolvendo armas nucleares."Na questão nuclear, o presidente me reafirmou a determinação do país a negociar" uma solução para o conflito sobre a questão nuclear, disse Annan durante a coletiva de imprensa.De qualquer forma, Ahmadinejad "reiterou que não iria aceitar suspender (seu programa) sem negociações", disse o chefe da ONU, reiterando a rejeição de Teerã à condição imposta pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança mais a Alemanha.Em junho, as seis nações ofereceram um pacote de incentivos econômicos caso o país limitasse seu programa nuclear. O Irã não respondeu até o dia 22 de agosto, quando rejeitou a condição de suspender o enriquecimento de urânio antes das negociações. O conteúdo da resposta iraniana não foi divulgada ao público. Teerã escondeu seu programa nuclear durante 18 anos e continua a não cooperar com os inspetores das Nações Unidas, o que aumenta as suspeitas sobre os objetivos do programa nuclear iraniano. A rica nação em óleo afirma que o programa é pacífico, com finalidade única de produzir combustível para reatores que geram eletricidade.A demora do Irã em responder ao pacote de incentivos fez co que o Conselho de Segurança criasse uma resolução no dia 31 de julho, que ordenava que o Irã suspendesse o enriquecimento de urânio até o fim de agosto.Na segunda-feira, Motakki afirmou que o Conselho emitiu uma resolução "sob pressão dos EUA e Inglaterra" e a descreveu como um "erro" e como uma "marcação negativa" contra o país. Segundo a televisão estatal, Ahmadinejad estaria disposto a negociar, mas sob o preço das nações ocidentais retomarem seus laços diplomáticos com Teerã."A confiança no Irã foi prejudicada durante os últimos 30 anos", afirmou o presidente. "Eles (ocidente) deveriam tentar ganhar nossa confiança para resolver a questão". A audácia iraniana em rejeitar o prazo dado pela ONU abre caminho para o Conselho considerar a imposição de sanções, mas é improvável que medidas punitivas sejam tomadas em breve. Tanto a Rússia quanto a China, membros permanentes do Conselho, com poder de veto, se opõem às sanções. A União Européia tenta novamente pela diplomacia nesta semana, quando o chefe de Políticas Externas da UE, Javier Solana deve se encontrar com o negociador-chefe iraniano da questão nuclear, Ali Larijani. Mas o bloco europeu afirmou que não daria muito tempo para os esforços produzirem resultados. Conflitos no LíbanoAnnan teve uma resposta mais favorável dos líderes iranianos quanto ao Líbano, onde Teerã apóia a guerrilha do Hezbollah, e acredita-se que o país seja seu principal fornecedor de armas.Ahmadinejad "reafirmou seu apoio à implementação da resolução 1701", disse Annan sobre a resolução que terminou com o conflito de 34 dias entre Israel e o Hezbollah, e que demanda a prevenção do reabastecimento de armas por parte do Hezbollah. Mas Annan não revelou pontos específicos da conversa sobre o Líbano. Motakki, após encontro com Annan no sábado, deu uma vaga promessa de que irá apoiar a resolução, mas não mencionou o Hezbollah.Annan afirmou na quinta-feira que a Síria, outro aliado-chave do Hezbollah, prometeu patrulhar o seu lado da fronteira a fim de evitar o envio de armas, apesar de Israel ser cético sobre tal iniciativa.Ainda assim, a passagem de Annan pela Síria foi o ponto alto de sua viagem pelo Oriente Médio, a fim de promover a paz na região.O chefe da ONU obteve pouco sucesso no Líbano, onde o premiê Fuad Siniora afirmou que o Líbano seria o último país árabe a fazer paz co Israel. Em Jerusalém, o premiê Ehud Olmert recusou o pedido de Siniora pelo levantamento imediato do bloqueio aéreo e marítimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.