Irã impede colocação de câmeras em instalação nuclear

O Irã impediu que inspetores da Organização das Nações Unidas (ONU) posicionassem câmeras em uma instalação subterrânea em que o país começará a instalar 3.000 centrífugas para o enriquecimento de urânio em escala industrial, disseram diplomatas na sexta-feira. Teerã deve anunciar ter atingido escala industrial em seu programa de enriquecimento de urânio durante as comemorações do aniversário da Revolução Islâmica, que vão até o dia 11 de fevereiro. Isso deve elevar as tensões com o Ocidente, que impôs sanções contra o país na ONU. A recusa iraniana em permitir que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, ligada à ONU) instale as câmeras na unidade subterrânea de Natanz não é ilegal, desde que as atividades não tenham começado no local. "As câmeras têm de estar funcionando antes de o material nuclear ser introduzido nas centrífugas para o enriquecimento", disse um dos diplomatas, que pediu para não ter seu nome revelado. A decisão do governo iraniano, que vem depois de o país vetar 38 inspetores dos 200 designados para trabalhar no Irã, contribuirá para aumentar as tensões com as potências ocidentais, que tentam pôr fim ao programa nuclear do país, o qual o Irã afirma ser pacífico. O Ocidente suspeita que a República Islâmica, que escondeu suas atividades de enriquecimento de urânio da AIEA por 18 anos, esteja tentando construir uma bomba atômica sob a fachada de um programa nuclear civil. As inspeções da AIEA não encontraram nenhuma evidência de que o Irã esteja construindo uma bomba, mas levantaram algumas questões sobre o programa nuclear do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.