Irã impede inspeções em instalação nuclear

O Irã impediu a visita de inspetores da ONU a uma instalação nuclear subterrânea, o que constitui uma violação ao Tratado de Não-Proliferação Nuclear, afirmaram fontes diplomáticas nesta segunda-feira. Em Teerã, o líder supremo do Irã, aiatolá AliKhamenei, disse que o país continuará a desenvolver tecnologia nuclear apesar do plano da ONU de impor sanções caso Teerã não suspenda seu programa de enriquecimento de urânio. Fontes que pediram para não serem identificadas disseram a agência de notícias Associated Press que a atitude dos iranianos de impedir a entrada dos inspetores da ONU em uma de suas instalações não tem precedentes, e poderia complicar a atuação internacional que procura garantir que o Irã não obtenha armas nucleares. A revelação surge um dia antes do fim do prazo auto-imposto pelo Irã para responder ao pacote de incentivos da comunidade internacional para que o país cancele seu programa nuclear. Oficialmente, o Conselho de Segurança da ONU estipulou o dia 31 de agosto como prazo final para que o país suspenda suas atividades. O Irã afirmou no domingo que apresentará uma resposta "de várias facetas" ao programa de incentivos, assinalando que não suspenderá o enriquecimento de urânio.ONUA resolução aprovada no mês passado pelo Conselho de Segurança da ONU exige a interrupção do enriquecimento de urânio por parte do Irã, ou serão impostas sanções econômicas e diplomáticas. A proposta inclui uma promessa de que os EUA e a Europa irão proporcionar tecnologia nuclear civil ao Irã e que Washington manterá um diálogo direto com Teerã.Teerã diz que o enriquecimento de urânio não viola suas obrigações com o Tratado de Não-Proliferação Nuclear, e que seu programa atômico tem como finalidade produzir apenas energia elétrica. Khamenei acusou o ocidente de tentar deter o progresso científico no mundo islâmico, e pediu às nações muçulmanas que se unam à luz de tais pressões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.