Irã insiste em manter equipamentos nucleares

Apesar da possibilidade de ser repreendido pelo Conselho de Segurança da ONU, o Irã se mantém firme no propósito de pedir que alguns dos equipamentos nucleares sejam liberados do acordo de suspender o enriquecimento de urânio e atividades relacionadas. O urânio enriquecido pode ser utilizado para fabricar armas nucleares. "O envio (do caso) ao Conselho de Segurança da ONU não seria o fim do mundo", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hamid Reza Asefi. As declarações foram feitas em Teerã um dia antes de a junta de governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) se reunir em Viena para analisar a suspensão do enriquecimento do urânio no Irã.A reunião da AIEA foi adiada na sexta até segunda para dar um prazo maior ao governo iraniano para que aprove o congelamento completo de seus programas de enriquecimento, que podem produzir tanto combustível nuclear pouco enriquecido, como material que pode ser usado em ogivas nucleares.Os delegados deverão decidir também qual será a política que seguirão sobre as atividades nucleares de Teerã. Mas, Asefi disse à imprensa que Irã mantém a opinião de que tem o direito de excluir do acordo cerca de 20 centrifugadoras. O país declara estar somente interessado no enriquecimento do urânio para gerar energia e que apenas quer desenvolver atividades com fins de pesquisa, o que, segundo Asefi, não está proibido no pacto selado com a Alemanha, a França e Grã Bretanha, em representação na União Européia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.