Irã irá retirar reservas financeiras de bancos europeus

Um provocativo Irã anunciou nesta sexta-feira que irá retirar suas reservas financeiras de bancos sediados em países europeus com o intuito de se proteger contra possíveis sanções impostas pela ONU a seu programa nuclear. De acordo com analistas, estima-se que esses fundos ultrapassem os US$ 50 bilhões. O Irã também informou que poderá reduzir sua produção de petróleo, deixando claro que utilizará esse expediente para mostrar sua valentia no recente embate travado com o Ocidente. Sublinhando sua postura desafiadora, o presidente linha-dura iraniano Mahmoud Ahmadinejad, participou nesta sexta-feira de um encontro em Damasco com os líderes dos grupos palestinos Hamas e Jihad Islâmica. O encontro acontece um dia após um militante da Jihad Islâmica detonar explosivos presos a seu corpo em um restaurante de Tel Aviv, ferindo 20 pessoas. Israel atribuiu ao Irã e a Síria a responsabilidade pelo ataque. Ambos os países negaram a acusação.A retirada das reservas iranianas de bancos europeus assinalam que o Irã prefere resistir a uma punição encabeçada pela ONU do que abandonar suas ambições nucleares, que para os EUA e alguns países europeus tem como objetivo desenvolver bombas atômicas. Teerã insiste que seu programa tem apenas fins pacíficos.Segundo analistas ouvidos pela Associated Press, a jogada desta sexta-feira também retira da Europa um importante artifício que poderia ser utilizado para influenciar o Irã a desistir de pontos chaves de seu programa nuclear.O anúncio de que o país transferiria seus ativos depositados na Europa foi feito pelo diretor do Banco Central iraniano, Ebrahim Sheibani. "Transferiremos reservas internacionais a qualquer parte que considerarmos convenientes", disse Sheibani, esquivando-se da pergunta sobre se o dinheiro estava sendo transferido para bancos asiáticos. Ainda não está claro se investimentos e propriedades do país na Europa também serão afetados.Segundo economistas, o impacto da decisão na economia global não será grande, uma vez que os depósitos iranianos nos bancos europeus não são grandes se comparados às reservas de outros países.PetróleoAinda mais amedrontadora é a possibilidade de o Irã tentar pressionar seus opositores através da diminuição de sua produção petrolífera. O país está deitado sobre a quarta maior reserva de petróleo do planeta. O preço do óleo cru subiu acima do patamar dos US$ 67 nessa sexta-feira, puxado pelas preocupações em relação a disputa nuclear iraniana. Teme-se que o preço do barril de óleo atinja patamares ainda maiores - acima dos US$ 100 - se o Conselho de Segurança da ONU decidir impor sanções comerciais ao Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.