Irã liberta ativista após 3 anos de prisão

A Justiça do Irã libertou nesta quarta-feira a advogada Nasrin Sotoudeh, uma destacada ativista pela defesa dos direitos humanos no país, depois de mantê-la na prisão por mais de três anos. O anúncio foi feito por familiares da advogada.

AE, Agência Estado

18 Setembro 2013 | 16h13

Reza Khandan, marido de Nasrin, disse à Associated Press que as autoridades iranianas levaram sua esposa para casa e disseram que ela está livre. "Nós esperávamos que ela viesse para ficar por pouco tempo, mas eles disseram que ela agora está livre", relatou Khandan.

Enquanto isso, páginas de grupos de oposição ao governo iraniano na internet informaram, também nesta quarta-feira, que mais de dez prisioneiros foram libertados. Todos estavam presos por acusações relacionadas a crimes contra a "segurança pública" supostamente cometidos durante os protestos ocorridos depois das contestadas eleições presidenciais de 2009 no país.

Entre os prisioneiros libertados hoje está Mohsen Aminzadeh, que atuou como vice-ministro das Relações Exteriores durante a presidência do reformista Mohammad Khatami.

Por meio de nota, a Campanha Internacional Pelos Direitos Humanos no Irã elogiou as libertações e pediu ao presidente Hasan Rouhani que continua a adotar medidas concretas no sentido de contornar a "urgente crise de direitos humanos" no Irã. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Irãprisioneiroslibertação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.