Irã manifesta disposição de colaborar com AIEA

O Irã está preparado para continuar colaborando plenamente com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na vigilância de seus programas nucleares, aos quais se opõem os Estados Unidos e alguns governos europeus, disse, nesta sexta, o embaixador iraniano perante o organismo, Ali Asghar Soltanieh. O diplomata fez a declaração em Moscou, sede de uma série de contatos e negociações para fazer frente ao litígio no qual interveio o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) a pedido dos Estados Unidos. A AIEA é subordinada à ONU. "O Irã está disposto a continuar sem reservas a cooperar com a AIEA. Estamos preparados para dissipar todas as dúvidas sobre o nosso dossiê nuclear", afirmou o embaixador. Os EUA acusam o Irã de desenvolver em segredo um programa nuclear bélico. Teerã nega a acusação e assegura que suas usinas atômicas têm fins exclusivamente pacíficos de geração de energia elétrica. A Casa Branca reitera que analisa todas as opções frente ao Irã, o que inclui a ameaça de um ataque militar. Nicholas Burns, do Departamento de Estado norte-americano, sugeriu que a Rússia deveria congelar a venda de armas ao Irã e aos países com contratos para a provisão de tecnologia que possa ser usada para material nuclear. "Chegou a hora da comunidade internacional utilizar seus meios para pressionar o Irã", disse Burns em Washington. "Estamos convencidos que é importante que um país como a Rússia congele suas vendas de armas ao Irã", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.