Irã manifesta ódio aos EUA ao festejar revolução

O Irã iniciou nesta quinta-feira os atos de comemoração do 28º aniversário da Revolução Islâmica, que em 1979 provocou a queda do regime do xá Mohamad Reza Pahlevi e o retorno ao país do aiatolá Ruhollah Khomeini.As comemorações, que durarão 11 dias e serão encerradas com uma grande manifestação, começaram com o som dos assobios dos trens edas sirenes dos navios por todo o país.As crianças gritaram em todos os colégios "Alahu Akbar" (Deus é grande) e "morte aos Estados Unidos" exatamente às 9h30 no horáriolocal, a hora em que há 28 anos Khomeini aterrissou no aeroporto de Teerã vindo do exílio na França.Por ocasião das comemorações, os altos cargos políticos e militares do Irã assistiram na manhã desta quinta a um ato simbólico no túmulo de Khomeini para mostrar seu compromisso com os ideais do instaurador da República Islâmica.O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, acompanhado por membros de seu gabinete, também esteve presente no local, onde foirecebido pelo neto do aiatolá, o aiatoleslam Hassan Khomeini.Revolução IslâmicaO aiatolá Khomeini foi detido em 1963 pelas forças de segurança do xá Mohamad Reza Pahlevi, por se opor às medidas liberais que este estava realizando no país, as quais classificou como contrárias ao Islã.Um ano mais tarde, foi enviado ao exílio na Turquia, mas as autoridades do país não o aceitaram. Posteriormente, foi deportado para o Iraque, onde também não foi aceito, sendo, por fim, exilado na França, aonde chegou em outubro de 1978, se instalando em Neauphle-le-Chateau, perto de Paris.No exílio, Khomeini continuou lutando contra o regime do xá e as gravações de seus discursos foram utilizadas pelos grupos de oposição no Irã.As grandes manifestações e a greve geral de setembro de 1978, que paralisou a indústria petrolífera, causaram um rápido e grave abalo no poder e, em 16 de janeiro de 1979, o xá e sua família deixaram o Irã. Duas semanas mais tarde, em 1º de fevereiro, Khomeini aterrissou no aeroporto da capital.Quatro dias depois, o aiatolá designou um novo governo e proclamou a República Islâmica do Irã. Após a aprovação por plebiscito da constituição, Khomeini se tornou líder supremo da política e da religião no país.Durante seu mandato, o aiatolá dissolveu alguns dos grupos que o tinham apoiado em sua luta para chegar ao poder e decretou a execução de seus opositores e dos membros do antigo regime.Khomeini conduziu a República Islâmica com firmeza até sua morte, em 3 de junho de 1989, quando o país se encontrava imerso no isolamento político internacional.Após a morte de Khomeini, os governos de Ali Akbar Hashemi Rafsanjani (1989-1997) e Mohammad Khatami (1997-2005) tentaram reativar as relações diplomáticas e conseguiram, sobretudo durante omandato do último, restaurar os laços políticos e econômicos com outros paíse, especialmente do Ocidente.O atual presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, optou por recuperar os princípios nos quais se sustentou o regime de Khomeini.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.