Irã mantém jornalistas detidos há dois dias

Um dos presos é americano e trabalha como correspondente do 'Washington Post'; jornal manifestou preocupação com o caso

O Estado de S. Paulo

25 Julho 2014 | 12h06

TEERÃ - As autoridades iranianas mantêm detidos há dois dias três jornalistas, entre eles o correspondente do jornal americano Washington Post Jason Rezaian. Até agora não foram divulgados os motivos de sua detenção, disseram fontes oficiais iranianas nesta sexta-feira, 25.

Os outros detidos são a mulher de Rezaian, Yeganeh Salehí, correspondente em Teerã do jornal de Dubai The National, e a fotógrafa iraniana Mariam Rahmaní, que colabora para o Washington Post e outros meios de comunicação. O marido de Rahmaní também foi preso e, segundo diversas informações, é repórter gráfico.

Autoridades iranianas confirmaram à agência Efe a detenção de Rezaian, Salehí e Rahmaní, mas não quiseram informar os motivos até que "finalize o processo administrativo".

Rezaian, de 38 anos, tem dupla nacionalidade, americana e iraniana, cresceu nos Estados Unidos e há anos chegou a Teerã para exercer o jornalismo. É um dos poucos ocidentais credenciados como correspondentes permanentes no Irã e o único americano. Ele trabalha para o Washington Post desde 2012.

O jornal americano assegurou na quinta-feira que tinha "relatórios críveis" indicando que o correspondente e sua mulher tinham sido detidos na noite de terça 22. "Estamos muito inquietos por estas notícias e preocupados com o bem-estar de Jason, Yeganeh e outros dois que aparentemente foram detidos com eles", disse o diretor de Internacional do Washington Post, Douglas Jehl, em um comunicado.

Fontes iranianas que pediram o anonimato disseram que a detenção de Rezaian e Salehí ocorreu na porta da residência do casal e foi realizada por agentes do serviço de Inteligência. /EFE

Mais conteúdo sobre:
IrãWashington Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.