Irã mata 30 guerrilheiros curdos no Iraque, diz Guarda Revolucionária

Segundo TV estatal iraniana, guerrilheiros foram mortos além da fronteira iraquiana no sábado.

BBC Brasil, BBC

27 de setembro de 2010 | 01h18

A televisão estatal iraniana informou neste domingo que a Guarda Revolucionária do Irã cruzou a fronteira e matou 30 militantes curdos no Iraque, considerados culpados por um ataque contra um desfile militar na semana passada.

O ataque ocorrido na cidade de Mahabad, noroeste do Irã, matou 12 pessoas, a maioria mulheres e crianças.

A televisão estatal citou o comandante da Guarda Revolucionária, Abdolrasoul Mahmoudabad, que teria dito que seus soldados ainda estão perseguindo o que ele chamou de "grupo terrorista".

O comandante teria dito ao canal de televisão que os "terroristas" foram mortos no sábado em um confronto "além da fronteira" do Iraque.

De acordo com a entrevista de Mahmoudabad, a Guarda Revolucionária ainda está perseguindo dois militantes curdos que teriam conseguido escapar. O comandante da guarda de elite não deu mais detalhes da operação.

O fato de uma autoridade iraniana admitir operações além da fronteira é algo raro no país.

Ataque

Até o momento nenhum grupo assumiu a autoria do ataque na cidade de Mahabad, ocorrido no dia 22 de setembro.

Um governador de província iraniana responsabilizou "grupos contrarrevolucionários" pelo ataque contra o desfile militar, ocorrido no 30º aniversário do começo da guerra entre Irã e Iraque.

Há tempos os militantes são ativos na região, quer conta também com uma população curda considerável entre seus habitantes.

Os separatistas curdos, baseados no norte do Iraque, também são responsáveis por uma longa campanha de guerrilha dentro da Turquia e entraram em confrontos regularmente com as forças de segurança iranianas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.